Polícia prende acusado de matar PM no Morro do Andaraí

Soldado Alex Amâncio Ferreira, foi morto com um tiro na cabeça em julho do ano passado

Por O Dia

Rio - Um homem foi preso na manhã deste sábado acusado do envolvimento na morte do soldado Alex Amâncio Ferreira, em julho do ano passado, no Morro do Andaraí. O criminoso foi detido por agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na mesma comunidade que fica na Zona Norte. 

LEIA MAIS: Comando de Operações Especiais faz operação no Andaraí após morte de PM

Alex Amâncio%2C 34 anos%2C foi morto em julho do ano passado no Morro do AndaraíReprodução/Facebook

De acordo com a Polícia Militar, o suspeito, que não teve a identidade revelada, tinha um mandado de prisão em aberto pela morte do policial e seria chefe do tráfico de drogas na região. O acusado estava em uma casa na comunidade e foi localizado pelos agentes após denúncia. A ocorrência foi registrada na 20ª DP (Vila Isabel) e, posteriormente, será encaminhada para a Divisão de Homicídios.

Relembre o caso

Alex Amâncio Ferreira, 34 anos, era lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade e foi morto com um tiro na cabeça, na noite de 7 de julho do ano passado, quando patrulhava a região. Na ocasião Comando de Operações Especiais (COE), da Polícia Militar, faz uma operação na localidade, e agentes buscaram suspeitos de terem atirado contra o PM.

Segundo informações, o soldado se preparava para deixar o serviço, durante um patrulhamento a pé na parte alta da comunidade, conhecida como Cruzeiro, pouco antes das 19h, quando ele e um colega, o soldado Barbosa, foram surpreendidos por criminosos que vieram por trás de uma pedra e atiraram nos policiais com pistolas. Os dois foram socorridos ao Hospital Federal do Andaraí, mas Alex, que foi atingido na cabeça, não resistiu aos ferimentos e morreu. Atingido por um tiro de raspão, Barbosa foi atendido, medicado e liberado.

Há cinco anos na Polícia Militar, Alex Amâncio Ferreira estava lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade há seis meses. Antes, integrou o Batalhão de Choque. Ele deixa esposa e uma filha de 3 anos.

Últimas de Rio De Janeiro