Fiscais descartam 41 kg de alimentos e 25 litros de chope impróprios na Z. Sul

Seis restaurantes foram autuados em Copacabana, nesta terça

Por O Dia

Rio - Durante uma operação, realizada nesta terça-feira, o Procon Estadual descartou 41 kg de alimentos e 25 litros de chope impróprios em seis restaurantes, na Avenida Atlântica, em Copacabana, na Zona Sul. Os fiscais autuaram todos esses estabelecimentos.

De acordo com o órgão, o local onde tinha mais irregularidades foi o restaurante Manoel e Juaquim. Ao todo, os fiscais descartaram 31,815 kg de linguiça, molho vinagrete e batatas cozidas. O bar estava sem os cartazes de combate à violência contra a mulher, do Disque 180 e do SOS Alerj, além do cardápio em baille. Procurado, o responsável pelo estabelecimento não foi encontrado até a publicação desta reportagem.

Já o Immaculata Restaurante & Grill tinha 460g de molho vinagrete, 200g de molho de queijo e 400g de queijo minas vencidos. Além disso, 180g de cuscuz marroquino, 240g de queijo ralado, 360g de queijo parmesão, 140g de massa de pastel, 620g de kani, 200g de molho tártaro e 1kg e 300g de palmito estavam sem a especificação da data de validade.

Fiscais do Procon encontraram ainda vasos%2C ralos e pisos quebrados nos restaurantesDivulgação

Segundo o Procon, os fiscais não encontraram no local o cartaz informando oferta de água potável gratuita aos clientes, nem os cartazes do Disque 180 e SOS da Alerj, e do Certificado do Corpo de Bombeiros. O local também não tinha cardápio em braille e o cartaz informando a proibição da venda de bebidas alcoólicas a menores. 

Procurada, a responsável pelo Immaculata explicou que alguns funcionários foram contratados para o período dos Jogos Olímpicos não tiveram cuidado ao mexer nos alimentos. Ela acrescentou ainda que eles não fizeram uma leitura dos rótulos dos produtos.

Outro restaurante autuado foi o Rota 66. Na ação, os fiscais encontraram 310g de pão francês e 760g de tilápia sem a especificação da data de validade. O órgão deu ainda um prazo de 15 para a realização de reparos nos pisos e nos ralos da cozinha, que estavam quebrados. Procurado pela reportagem, o estabelecimento informou que o funcionário não colocou a etiqueta de validade na embalagem de um filé de frango.

No Restaurante Chinese Palace, o Procon descartou 1kg de molho de pimenta vencido, além de 700g de frango empanado e 200g de molho vinagrete, que estavam sem data de validade. Os fiscais também não encontraram o Certificado do Corpo de Bombeiros, o de potabilidade da água, o Livro de Reclamações, um cardápio em braille, um cartaz informando o fornecimento gratuito de água potável aos clientes, o Código de Defesa do Consumidor e nem um cartaz de combate à violência contra a mulher. Até a publicação desta reportagem, nenhum responsável pelo local foi localizado.

Durante a ação, os fiscais descartaram 790g de queijos, 400g de massa de pastel, 170g de carne moída e 820g de lasanha sem especificação da data de validade no Rondinella. Havia ausência ainda do cartaz do combate à violência contra a mulher, do Disque 180 e SOS Alerj, do Manual de Boas Práticas da Anvisa, do cartaz informando o fornecimento de água potável gratuita para os clientes e cartaz informando a proibição da venda de bebida alcoólica para menores de idade. Nenhum responsável pelo restaurante foi encontrado até o momento.

Os fiscais descartaram também 25 litros de chope claro vencidos, com a data de 25 de julho, no Capitão Jacques. De acordo com um responsável pelo estabelecimento, a bebida estava do lado de fora do local e não foi colocada para o consumo dos clientes.

Últimas de Rio De Janeiro