Chama Olímpica tem 'descanso' de rei em suítes de hotéis luxuosos

No Estado do Rio, a comitiva que mantém o fogo aceso pernoitou em 10 estabelecimentos

Por O Dia

Rio - O que faz a tocha olímpica quando não está no revezamento? Descansa, em um quarto de hotel, com os chamados guardiões que devem deixar seu fogo sempre aceso. Foi assim em 95 cidades pelo país. Nesta madrugada, ela teve o seu último pernoite com suas chamas divididas em lamparinas em dois hotéis da região na Lapa, região boêmia do Rio. À noite, após passar por pontos turísticos do Rio, chegará ao seu destino final: o estádio do Maracanã para dar início aos Jogos.

O DIA levantou os hotéis em que a chama descansou no Estado do Rio. No total, ela esteve em 21 unidades e passou o pernoite em dez -- alguns com melhores acomodações do que o quatro estrelas da Zona Norte onde a maior estrela do atletismo Usain Bolt ficou até a última quarta-feira, antes de ir para a Vila dos Atletas.

Sua primeira hospedagem foi na Costa Verde. Com status digno de celebridade, ela entrou ligeira pelo hall do resort Golden Tulip, em Angra dos Reis. "Estava cheia de seguranças, que foram tão rápido para a suíte que não deu tempo para pedir uma foto", lamentou-se a funcionária da recepção, que não quis se identificar.

Renato Sorriso conduzindo a Tocha Olímpica no Centro do Rio Reprodução Twitter/ Cidade Olímpica

A suíte, chamada master, tem 80 metros quadrados, com vista total para o mar paradisíaco da cidade. Sua diária para o público custa R$ 777, mas o Ministério da Justiça, responsável pelo pagamento, conseguiu reduzir o preço através de um contrato sigiloso.

O descanso foi merecido. Momentos antes, a Chama sofreu o que o coronel Francisco Cantarelli, chefe de segurança da Força Nacional para o revezamento, descreveu para a reportagem como o "pior momento da jornada no Brasil". Um grupo de moradores, descontentes com o desemprego na cidade, fez um protesto que interrompeu o comboio. Pela primeira vez em solo fluminense, seu desfile terminou com bombas de gás e tiros de borracha de policiais do Batalhão de Choque. "A festa na praça da cidade foi cancelada. Pessoas tacaram pedra na gente e em viaturas. Foi um momento que não valeu o custo-benefício do evento", disse Cantarelli.

Debilitado%2C Zagallo fez o trajeto%2C na Barra%2C em uma cadeira de rodas e com a Tocha presa por um suporte. Foi muito incentivado no percursoDivulgação

Após o revezamento, que normalmente dura 12 horas, o fogo da tocha é guardado em lamparinas. Ele é da mesma chama acesa em Olímpia, na Grécia, com a utilização de um espelho parabólico. De acordo com o comitê Rio 2016, sete guardiões são os responsáveis por deixar o fogo sempre aceso. São nove lamparinas no total. Apenas cinco são acesas ao mesmo tempo, enquanto as outras ficam em manutenção ou abastecidas por fluídos. Do mesmo tipo das usadas em mineração, consomem pouco combustível e dificilmente apagam.

Os guardiões não são militares. Foram escolhidos pela empresa Cerimônias Cariocas, por sua afinidade com o esporte. Médicos e professores de educação física estão entre os selecionados. Acompanhados por militares da Força Nacional, por agentes da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal, eles tiveram sua segurança garantida nos hotéis em que passaram.

Em Petrópolis, ficaram na suíte presidencial do Grand Hotel, no centro da cidade. A construção data de 1930, de estilo neoclássico e é tombada pelo patrimônio histórico. "Todo o hotel foi fechado para a comitiva. A suíte conta com duas camas king size e tem varanda de ponta a ponta, com vista para o Museu Imperial", contou a gerente-geral, Bianca Araújo.

Em Cabo Frio, na Região dos Lagos, a comitiva recebeu o que o gerente Fabrício Amaral chamou de "welcome drink" (recpção com bebidas). "Fizemos uma festa com um DJ na cobertura do hotel, onde tem a piscina. Foi uma momento de descontração para todos. As lamparinas não participaram", apontou. Considerado de luxo, o hotel tem diárias que variam em torno de R$ 300.

Já em Macaé, a estadia foi mais simples. Mas, foi um dos únicos locais em que o comboio de segurança deixou uma carta de agradecimento. "Nosso hotel é três estrelas, confortável. Cedemos uma sala para o staff. Eles deixaram uma carta dizendo 'a tocha passou por várias cidades e vários hotéis. O Best Wester Dubai possui um excelente atendimento", leu o gerente Edvar Pancracio, sem esconder o orgulho.

Ao contrário do anunciado, após a passagem em Niterói as lamparinas pernoitaram somente no Rio, e não na Baixada Fluminense. Ficaram no Soft Inn e no Slavieiro, na rua do Resende, a 350 metros dos arcos da Lapa.

Após três meses, Cantarelli diz que está ansioso para o último pernoite. O motivo: voltar a reencontrar sua família -- esposa e dois filhos, de 1 e 4 anos, em Pernambuco. Nesse período em que esteve afastado só os encontrou três vezes. "Fizemos a nossa missão. Hoje, quando ela chegar ao Maracanã, saberemos que tudo valeu a pena. Ela chegará acesa", afirmou.

Últimas de Rio De Janeiro