Rio já vive 'invasão' de Pokémons

Para evitar acidentes, Detran vai lançar campanha. Campo de São Bento, em Niterói, atrai caçadores

Por O Dia

Rio - A aventura começou. Lançado oficialmente no Brasil na noite de quarta-feira, o Pokémon Go já é sucesso entre os aficionados em jogos eletrônicos. Fenômeno mundial, o game para celulares também desperta preocupação diante da série de acidentes registrados nos países onde já existia. Por meio de realidade aumentada, GPS e câmera de smartphones e tablets são usadas para caçar, capturar e treinar criaturas Pokémon virtuais, que aparecem nas telas dos aparelhos como se estivessem no mundo real.

O problema é que durante a caçada, as pessoas se distraem e acabam pondo em risco a própria segurança e de terceiros. Isso porque o aparelho se transforma em detector de Pokémons, quando o monstrinho aparece na tela, o jogador tem que mirar a criatura e acertá-la para capturá-la. E os bichinhos podem aparecer em qualquer lugar real.

Por todo lado%2C no Campo de São Bento%2C grupos jogavam atentosFoto de leitor

No Rio, o Detran deve lançar campanha na semana que vem, em material impresso e nas redes sociais. “A campanha vai alertar motoristas e pedestres sobre os cuidados que devem ser tomados”, disse o presidente do órgão, José Carlos dos Santos Araújo, afirmando que o mau uso de celular é a segunda causa de atropelamentos no estado.

Perigos à parte, a chegada do game que já ultrapassou o Twitty em quantidade de acessos no mundo, é motivo de festa. O Campo de São Bento, em Icaraí, Niterói, virou point dos caçadores de Pokémon, como o estudante Bruno Pombo Lemos, de 17 anos. “É muito mais divertido caçar com os colegas na rua. Um avisa o outro quando tem um Pokémon por perto”, garante o adolescente, ciente que deve tomar cuidado para não se machucar na caçada.

Em São Paulo, o Metrô iniciou campanha nas redes sociais onde um jogador se arrisca apontando o celular para os trilhos enquanto uma composição se aproxima. “Com lançamento do jogo e sua popularidade, o Metrô reforça a orientação aos usuários para que redobrem a atenção no sistema metroviário para não prejudicar os demais passageiros e evitar acidentes”, afirmou a companhia, em nota.

Game como um aliado da saúde

O game Pokémon Go ganhou notoriedade muito mais por causa da série de acidentes bizarros sofrida por jogadores, como o caso do motorista do carro que bateu em uma viatura da polícia enquanto caçava as criaturas, nos Estados Unidos. Entretanto, cientistas têm se dedicado a estudar os benefícios trazidos pelo jogo.

Pesquisadores do centro médico de queimados da Universidade de Washington, nos EUA, iniciaram recentemente um estudo para ver se o aplicativo poderia ajudar na terapia dos pacientes. A tese é que, além de ajudar na mobilização dos doentes, o game poderia contribuir para afastar suas mentes da dor. No Leicester Diabetes Centre, no Reino Unido, a pesquisa é sobre como o game poderia ajudar na redução da obesidade e dos níveis de diabetes tipo 2.

“Esse jogo está tirando as pessoas do sofá e as levando para as ruas. Poderia ser uma solução inovadora para os níveis crescentes de obesidade”, afirmou o professor de atividade física, comportamento sedentário e saúde da Universidade de Leicester, Tom Yates.

A reumatologista Selma Merenlender, diretora do Centro Multidisciplinar Fluminense, diz que o jogo pode ser um aliado da saúde. “Isso porque ele tem levado muitas pessoas sedentárias a se movimentarem mais, além de ser um estimulo para a autoestima e uma poderosa arma no combate à obesidade”, afirmou a médica, que aderiu ao jogo e também virou caçadora de Pokémons.

Últimas de Rio De Janeiro