Rússia nega que homem que matou assaltante seja vice-cônsul do país

De acordo com cônsul da Rússia no Rio, todos os funcionários da representação diplomática são cidadãos russos

Por O Dia

Rio - A Embaixada da Rússia no Brasil negou nesta sexta-feira, por meio de nota, que o homem que matou um suspeito de assalto na Barra, na Zona Oeste, nesta quinta-feira seja vice-cônsul do país. Segundo a nota, no momento do incidente, todos os funcionários do Consulado da Rússia no Rio de Janeiro estavam dentro do prédio ou na Casa dos Fãs russa, em Copacabana.

De acordo com o cônsul da Rússia no Rio, Vladimir Tokmakov, todos os funcionários da representação diplomática são cidadãos russos, com nomes russos, o que não é o caso do homem que disse ser vice-cônsul. Segundo ele, o consulado sequer emite carteira de identificação. 

Nesta quinta-feira, a Polícia Civil informou que o homem era vice-cônsul da Rússia e que ele tinha reagido a uma tentativa de assalto, matando o suspeito do crime. Segundo a Delegacia de Homicídios, o suposto vice-cônsul lutou contra o agressor, tomou sua arma e atirou no suspeito. 

Moto em que estaria o assaltante%2C morto por vítima que reagiu a assalto em frente a BRT e a poucos metros do Parque Olímpico da BarraLeitor

O caso ocorreu na Avenida das Américas, na Barra da Tijuca, a poucos metros do Parque Olímpico, ao lado da estação do BRT Transoeste Bosque da Barra, e provocou pânico na região, cercada de condomínios. Um homem que ocupava uma moto morreu ainda no local. 

De acordo com a polícia, o atirador seria um advogado de 60 anos, natural de Minas Gerais e praticante de jiu-jitsu, que possuía carteira de vice-cônsul da Rússia.

A Delegacia de Homicídios da Capital (DH) informou que ele estava acompanhado da esposa e da filha no carro, parado em um engarrafamento, quando foi abordado pelo motociclista pela janela do veículo. Os dois entraram em luta corporal e o motorista conseguiu pegar a arma e atirar nele. Outro homem que estava na moto conseguiu fugir. Outro carro também teria sido atingido por tiros.

Últimas de Rio De Janeiro