Menina de 2 anos morre após carro da família ser atingido por veículo em fuga

Criminosos eram perseguidos pela polícia em Bangu quando bateram na traseira do carro onde estava Ana Clara

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Ana Clara estava no colo da mãe no momento do acidenteReprodução Internet

Rio - Uma perseguição policial a criminosos em Bangu, na Zona Oeste da cidade, terminou de forma trágica na noite deste domingo. O carro onde estavam os bandidos atingiu a traseira do veículo onde estava a família de Ana Clara Quintanilha, de 2 anos, que bateu com a cabeça. A menina chegou a ser socorrida, mas não resistiu e morreu. Um bandido acabou baleado e morto na fuga.

Ana Clara estava no colo da mãe no momento do acidente. Ela chegou a ser levada para o Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, mas morreu antes de chegar na unidade. Após o acidente, os policiais atiraram contra o suspeito, que foi atingido e levado para o mesmo hospital, mas morreu na unidade.

Dentro do carro da família estava a mãe e do pai da menina, além de outras duas outras crianças, irmãs de Ana Clara. Eles não ficaram feridos. Ainda não há informações sobre o enterro da criança e seu corpo permanece no hospital da Zona Oeste.

De acordo com o comando do 14º BPM (Bangu), os policiais militares realizavam patrulhamento quando foram alertados sobre um veículo realizando roubos. Ao avistar a viatura, o carro iniciou fuga e houve troca de tiros. O carro usado pelo criminoso foi roubado na área da 33ª DP (Realengo). O caso foi registrado na 34ª DP (Bangu).

Arrastão pouco antes

Parentes de Ana Clara contaram que o criminoso foi de Realengo até Bangu assaltando várias vítimas. “Não foi só o carro que ele roubou. Ele veio assaltando um monte de gente. Tinha celular, relógio e várias outras coisas. Os PMs disseram que tinha um monte de ocorrências de roubo com o mesmo carro em que ele estava”, relatou Beatriz Venceslau, 23 anos, tia da menina.

A demora de quase 21 horas para a liberação do corpo do hospital Albert Schweitzer ampliou ainda mais o sofrimento dos parentes. O óbito foi registrado às 22h20 de domingo, mas, segundo a família, o Corpo de Bombeiros só removeu o corpo da unidade para o Instituto Médico Legal (IML) após as 19h30 de ontem. À tarde, a Secretaria Municipal de Saúde e o Corpo de Bombeiros aguardavam a solicitação da Polícia Civil. A Civil não respondeu o motivo da demora.

?Com reportagem de Gustavo Ribeiro

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia