Morre técnico alemão que sofreu acidente na Barra

Stefan sofreu um acidente de carro na Avenida das Américas, Zona Oeste do Rio, e estava internado desde sexta-feira

Por O Dia

Rio -  O técnico da equipe alemã de canoagem slalom, Stefan Henze, de 35 anos, não resistiu aos ferimentos do acidente que sofreu na madrugada de sexta-feira e teve morte cerebral no Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea. Henze, que ganhou medalha de prata na Olimpíada de 2004, como atleta, estava em um táxi com outro membro da comissão técnica do time, por volta das 4h50, quando o motorista bateu em um poste na Avenida das Américas, na Barra da Tijuca.

O taxista Artur de Almeida Campos, de 25 anos, e o cientista esportivo alemão Christian Käding, que estava no carro, sofreram ferimentos leves e foram liberados no mesmo dia do Hospital Lourenço Jorge, na Barra. Stefan Henze foi transferido para o Miguel Couto com traumatismo craniano, onde passou por cirurgia. Os alemães chamaram o táxi em frente a um bar, na Barra, e seguiam para a Vila Olímpica.

“Palavras não podem descrever o que nós sentimos na equipe olímpica após esta perda terrível”, declarou ontem, em nota, o presidente da Confederação Alemã de Esportes Olímpicos (DOSB), Alfons Hörmann. A equipe de canoagem também se manifestou no Twitter: “Estamos profundamente entristecidos. Descanse em paz, Stefan, você permanecerá para sempre em nossos corações.”

A delegação alemã fará nesta terça-feira homenagem ao técnico em um memorial na Vila. A bandeira da Alemanha será hasteada a meio mastro em todos os locais olímpicos do Rio, em sinal de luto.

Laudo deverá indicar a causa

O delegado Marcus Vinícius Braga, da 16ª DP (Barra da Tijuca), informou ao DIA que o taxista Artur de Almeida Campos deve ser indiciado por homicídio culposo (sem intenção de matar). O delegado aguarda o laudo pericial para confirmar a causa do acidente. O depoimento do motorista é mantido em sigilo.

Segundo a PM, o exame de alcoolemia constatou que Artur Campos não estava sob efeito de álcool. A Secretaria Municipal de Transportes irá aguardar a conclusão do inquérito policial para tomar as providências cabíveis em relação à licença do taxista. A reportagem não conseguiu estabelecer contato com o motorista. Até às 21h, não havia informações sobre o traslado do corpo e sepultamento.




Últimas de Rio De Janeiro