Na linha de tiro, projeto social pede ajuda em Bangu

Para fugir de zona de confronto entre policiais e traficantes, ONG na Vila Aliança faz campanha por nova sede

Por O Dia

Rio - No meio de uma comunidade tomada pelo tráfico de drogas, um grupo de voluntários trabalha para dar novo rumo à vida de algumas crianças que moram na Vila Aliança, em Bangu. É a ONG Semente do Amanhã, que há quase 30 anos atende crianças de 4 a 17 anos. O problema é que, de alguns meses para cá, a intensidade dos confrontos entre policiais e traficantes nas redondezas da organização aumentou muito e a casa onde funciona está cheia de marcas de tiros.

Fundadora e coordenadora da ONG, Selmira Nascimento, a Tia Selminha, diz que precisa de ajuda para mudar a sede de local. “Não tem mais como ficar onde estamos. Já era ruim, mas desde que o chefe do tráfico veio morar perto da ONG a situação está horrível.

Queremos comprar uma casa em alguma rua de acesso, para não deixar as crianças em risco de levar uma bala perdida”, lamenta ela.
Para arrecadar fundos, Selminha lançou uma ‘vaquinha virtual’ e calcula que com R$ 300 mil seja possível adquirir um imóvel grande o suficiente para continuar exercendo todas as atividades que oferece hoje. Mas do dia 13 de junho até hoje eles só conseguiram levantar R$ 5.730.

Muitas salas onde acontecem as atividades da ONG estão com marcas de tiros. Crianças estão assustadasDivulgação

A professora aposentada é ex-moradora de rua e diz que sabe o quanto o projeto é importante na vida das pessoas que ali estão. "Queremos continuar desenvolvendo nosso trabalho, ser referência para essas crianças. A maioria delas tem parentes envolvidos com o tráfico e na ONG a gente mostra que existe uma outra opção. Aqui as crianças conhecem um novo mundo”, afirma.

Foi lá que Jeorge Carlos Barbosa, de 20 anos, teve a oportunidade de se tornar um jardineiro profissional. “Consegui fazer o curso por indicação da ONG. Entrei aqui com cinco anos e minhas tardes eram sempre ocupadas. Isso me afastou do caminho errado”, conta.

A ‘vaquinha virtual’ recebe doações até o dia 31 de agosto no site www.kickante.com.br. Eles aceitam qualquer valor acima de R$ 10.

Últimas de Rio De Janeiro