Por tabata.uchoa

Rio - Consideradas alternativas para a crise na saúde, as Instituições de Transição de Cuidados (ITCs) vêm sendo debatidas entre as autoridades do setor. Professor de Gestão em Saúde da Fundação Getúlio Vargas e ex-subsecretário de Saúde do Rio, João Luiz Costa defende o novo modelo.

Se medida por aprovada%2C casa de saúde em Realengo pode virar ITCDivulgação

“Estima-se que o custo de um leito intensivo gire entre R$ 4 mil a R$ 15 mil por dia (em fases iniciais de tratamentos), enquanto o de transição fica entre R$ 1,2 mil e R$ 1,6 mil”, diz.

De acordo com ele, esse tipo de solução aumenta a oferta de leitos de alta complexidade, assim como proporciona economia de até 89% nos custos em geral. “E ainda oferecem serviços médicos mais adequados”, comenta.

Os ITCs são para quem, depois de sete a 15 dias de internação em CTIs, necessita de cuidados entre o tratamento agudo no hospital (após algum incidente grave, como cirurgia ou AVC) e a volta para casa. “Faltam locais que ofereçam cuidados extensivos, de enfermagem, fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicologia e mesmo supervisão médica e de farmácia clínica e psicológica, com acompanhamento integral”, opina João.

No Rio, o novo modelo foi adotadopelo Hospital Placi. Na opinião de Costa, o sistema inovador pode revitalizar e salvar instalações em crise ou hoje fechadas, como a Casa de Saúde Nossa Senhora das Graças, em Realengo.

Você pode gostar