'Sou acusado de não ser ladrão', diz Marcelo Freixo

Deputado estadual mais votado do Brasil nas eleições de 2014, Freixo reconhece a dificuldade que enfrentará para fazer campanha para prefeito do Rio

Por O Dia

'Meu salário é R%24 15 mil. Vivo muito bem%2C mas para ficar rico com este salário%2C só sendo ladrão'%2C Marcelo FreixoMaíra Coelho / Agência O Dia

Rio - Deputado estadual mais votado do Brasil nas eleições de 2014, Marcelo Freixo (Psol) reconhece a dificuldade que enfrentará para fazer campanha para prefeito do Rio, dispondo de apenas 11 segundos de propaganda na TV. “Só o Bolt consegue.”

Niteroiense, Freixo brincou com as críticas que recebeu por ter declarado à Justiça Eleitoral um patrimônio de exíguos R$ 5 mil, conforme revelou O DIA, na edição de 17 de agosto. “Estranho é o Cabral ter mansão em Mangaratiba ganhando o mesmo que eu”.

Bem-humorado, o deputado, 49 anos, explicou que sua luta na área dos Direitos Humanos nunca foi a “defesa de bandidos”, e sim do cumprimento da lei. 

ODIA: O que você achou de não ter participado do debate da Band?

FREIXO: A intenção de quem votou contra a minha ida era me deixar fora do noticiário. Eles (adversários) estão com o cálculo de uma vaga no segundo turno e esta vaga tem que ser disputada a qualquer preço. Mas não deu certo. Fomos para a praça pública, reunimos cinco mil pessoas até onze da noite. Trezentos mil viram evento na internet. Até a Band estava lá. Aliás, a Band foi correta o tempo todo. A lei que é uma aberração.

E o Flávio Bolsonaro, que teve um piripaque?

Mandei mensagem para ele, que não me respondeu. Até brinco com suas filhas, digo que vão ser militantes do Psol. Discordo de tudo o que ele diz, mas não desejo mal algum a ele.

Como você avalia as muitas reformas urbanísticas do Eduardo Paes, que é comparado ao ex-prefeito Pereira Passos?

Ele faz esta comparação. Talvez por falta de conhecimento histórico. Eu quase sugeri que o Eduardo buscasse outra referência, mas se ele quer se comparar...

Você acha a comparação indevida?

Não. Acho super pertinente. Ele conseguiu remover até mais gente que o Pereira Passos. Só acho que é um surto de honestidade que não lhe é comum. Pereira Passos ficou marcado por um processo perverso de higienização do centro da cidade e por uma série de protestos contra o seu governo. Mas se o Eduardo Paes quer se comparar a isso... problema dele.

Como você pretende fazer campanha na TV tendo apenas 11 segundos no horário eleitoral?

Tenho que ser mais rápido que o Bolt, mas sem virar o Enéas da esquerda. Preciso ser criativo. Vou usar o programa para chamar o telespectador a conhecer minhas propostas na internet.

Você crê na possibilidade de o Bolsonaro apoiar o Pedro Paulo ainda no primeiro turno se este crescer nas pesquisas?

Não. Há a consolidação de uma direita conservadora, organizada e que quer ocupar espaço. Ele não vai abrir mão de disputar este espaço, apesar de sempre ter apoiado o PMDB em tudo.

A divisão da esquerda em três candidaturas (Freixo, Alessandro Molon e Jandira Feghali) não pode deixá-la fora do segundo turno?
É legítima a candidatura do Molon (Rede), que é um ótimo deputado. A Jandira foi secretária do Paes. Mas o PC do B, como o PT, fez parte da gestão. Romperam após o processo de impeachment da Dilma. Também é legítimo. Mas não foi por divergência em relação à administração da cidade. Nós temos um projeto de cidade, diferentemente deles. Nos preparamos para governar o Rio de uma outra forma. É completamente diferente deles, apesar de estarmos no mesmo campo político.

Você é criticado, até entre simpatizantes, por fazer campanha apenas no eixo Santa Teresa-Praça São Salvador. O que tem a dizer sobre esta crítica?

Quem fala isso não vê a minha agenda. Hoje (sexta) estive na Maré, amanhã (ontem), no Méier. Domingo, no Alemão e Dendê. 90% da minha agenda é nas zonas Norte e Oeste. Venho da periferia, da Zona Norte de Niterói. Comecei a trabalhar com 15 anos. Tenho cara de morador de Laranjeiras (risos), mas passei a vida trabalhando em presídio e favela. Aprendi a dar aula na cadeia.

Como reage quando alguém diz que você “defende bandido”?

Nunca me filiei ao PMDB .

Fala sério.

Estou falando (risos). Sempre convivi com a violência. As pessoas costumam falar “no dia que alguém da sua família for vítima de violência, você muda de opinião”. Meu irmão foi brutalmente assassinado na porta de casa, com 34 anos, e nunca mudei uma vírgula do que penso. Não posso transformar vingança em Justiça. Parece até que eu defendo que se estupre, assalte ou mate alguém. Claro que não. Mas o fato de existir criminoso não dá ao Poder Público o direito de agir fora da lei. Criminoso tem que pagar de acordo com a lei. Se eu tiver que parar de falar em direitos humanos para ser eleito, não serei eleito. Não pararei de falar. Não quero matar essa juventude. Quero escola de qualidade para ela. Também não quero uma polícia que mata e morre.

Você sempre é criticado por não ir a enterro de policial assassinado.

Não sou deputado oportunista que vai a enterro fazer discurso e depois não procura a família. Onde essa família vai parar? Na Comissão de Direitos Humanos da Alerj. A gente atende várias famílias de policiais mortos e só não atende a mais por falta de estrutura.

Aliás, também te acusam de ser contra a Polícia Militar mas não abrir mão de ter policiais militares em sua segurança.

Não defendo o fim da Polícia Militar. Defendo a valorização da PM e a desmilitarização para os policiais terem melhores condições de trabalho. Aliás, eu e a maioria dos policiais. 77% deles, segundo a última pesquisa. E quem vai fazer minha segurança? Tem que ser policial, não pode ser miliciano. E eu não tenho segurança por problema particular meu, mas pelo exercício da minha função pública, por investigar uma máfia das mais perigosas do Rio.

Esta semana o DIA mostrou o patrimônio dos candidatos e o seu é de apenas R$ 5 mil, o que te rendeu acusações de ser mentiroso, gastador ou mau administrador das suas receitas.

Nunca imaginei que fosse ter que responder por não ser ladrão. Via poucos questionamentos ao Sérgio Cabral tendo casa em Mangaratiba ganhando o mesmo que eu. Ele mora numa cobertura no Leblon. Eu moro de aluguel na Glória. Tem deputado que é pecuarista ganhando o que eu ganho. Meu salário líquido é de R$ 15 mil. Só tenho esta renda. É excelente. Vivo muito bem. Mas quem fica rico com este salário é porque roubou. E minha prioridade não é acumular bem. Poderia ter acumulado. Mas optei por tirar meus pais do subúrbio para morar em Icaraí. Meu pai tem problemas graves de saúde e lá melhora a qualidade de vida dele. Pago aluguel e o plano de saúde deles. Pago 17% do salário em pensão para minha filha, e mais do que isso por fora, para o que ela precisar. Pago a faculdade do meu filho. Acho que, diante desses custos, administro bem meu dinheiro.

Nem carro você tem?

Eu tinha um Fiat, mas vendi após a CPI das Milícias porque preciso andar em carro blindado devido às ameaças de morte que sofro. Se aconteceu o que aconteceu com os jornalistas do DIA (torturados por milicianos em 2008), imagina o que não aconteceria com um deputado que colocou eles na cadeia?

Últimas de Rio De Janeiro