Tietagem de policiais do Choque a Jair Bolsonaro causa polêmica em desfile

Sete de Setembro é marcado por protestos no Rio. Discussões de militantes contra e a favor do impeachment marcam a Desfile

Por O Dia

Rio - A tietagem explícita de PMs do Batalhão de Choque ao deputado Jair Bolsonaro neste domingo no desfile de Sete de Setembro chamou a atenção. Empolgados, os policiais abraçaram e posaram para fotos com ele. “Atitude passível de reprimenda. Como servidores públicos, os PMs não podem posar para fotos com políticos. Têm que manter postura de isenção. Fora do trabalho não tem problema”, diz José Vicente da Silva Filho, coronel da reserva da PM-SP e ex-secretário nacional de Segurança Pública.

Policiais do Choque aproveitaram presença de Bolsonaro e fizeram selfiesFrancisco Edson Alves / Agência O Dia

Bolsonaro, por sua vez, criticou o “excesso de punições”, segundo ele, dadas aos policiais. “Se o PM não atirar contra vagabundos, por exemplo, morre. Se atirar, é preso. Eles não podem estar mais preocupados com ‘homens de capas pretas’ ( juízes), do que com bandidos”, defendeu o deputado federal. 

O DIA enviou email, na noite deste domingo, para a Polícia Militar questionando se os agentes do Batalhão de Choque poderiam ser punidos pela atitude, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

Militares aproveitaram presença de Bolsonaro e fizeram selfiesFrancisco Edson Alves / Agência O Dia

Desfile marcado por protesto

O desfile do Dia da Independência, no Centro do Rio, foi marcado por bate boca e empurra-empurra entre militantes contra e a favor do presidente Michel Temer. De acordo com o Comando Militar do Leste (CML), 4,3 mil integrantes das Forças Armadas, da Polícia Militar e bombeiros, além da Guarda Municipal e ex-combatentes do Exército, passaram pela Avenida Presidente Vargas.

O terceiro sargento do Exército Felipe Wu, ganhador de medalha de prata na prova de pistola de 10 metros de ar comprimido nos Jogos Olímpicos, abriu o evento. Os manifestantes contrários ao impeachment foram isolados da parada militar por policiais.

Militares desfilaram na Avenida Presidente VargasSeverino Silva

Três deles, incluindo um vestido de homem-aranha, foram detidos. Após o desfile, pelo menos 10 mil pessoas, nas estimativas dos manifestantes, realizaram passeata da Candelária até o Museu do Amanhã, na Praça Mauá. Eles carregaram cartazes classificando o afastamento da ex-presidenta como “golpe”, pedindo novas eleições diretas para presidente e a prisão do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, além de faixas com inscrições “Fora Temer”.

Ainda durante a parada militar, policiais tiveram de intervir para evitar brigas entre defensores e críticos do impeachment. “Virou uma Torre de Babel. Infelizmente, ninguém se entende mais”, lamentou a professora Alice Vieira, de 61 anos, que também se mostrou confusa em relação ao que pensa do momento político. “Acho que agora o Brasil vai para frente com Temer. Mas eu acho que deveriam ter deixado a Dilma no poder até o final do mandato”, comentou.

Alguns poucos manifestantes que defendiam uma intervenção militar no governo também faziam parte do público. O professor de Educação Física, Roberto Belchior, de 52 anos, ostentava um cartaz com os dizeres “Invervenção Militar Já”, mas, para explicar o que queria também parecia confuso: “Na verdade não é intervenção, mas, sim, um estudo de cenário”, tentou explicar. 

Mnifestantes contra Temer foram impedidos de se aproximar de desfile na Presidente Vargase. Três pessoas foram detidasSeverino Silva


Últimas de Rio De Janeiro