Janot usa interceptação telefônica em que Paes é citado na denúncia contra Cunha

Procurador-geral da República menciona conversa entre Eduardo Cunha e Léo Pinheiro, em 2012

Por O Dia

Rio - Na denúncia em que sustenta o “pagamento de vantagens indevidas milionárias” para abastecer campanhas de Eduardo Cunha e seus aliados, Rodrigo Janot recorreu à interceptação telefônica em que Eduardo Paes (PMDB) é citado. O procurador-geral da República menciona conversa entre Cunha e Léo Pinheiro, executivo da OAS, em 16 de agosto de 2012. 

Cunha demonstra interesse em doações de R$ 1 milhão que chegaram ao Diretório Nacional do partido. Pergunta a Pinheiro se o valor é para “a gente” ou se tem outra destinação. O executivo da OAS afirma que o valor era para o prefeito do Rio, que buscava a reeleição.

Doação legal
Por meio de sua assessoria, Paes afirmou que o repasse em questão foi feito de forma legal, sem qualquer relação com o suposto esquema de Eduardo Cunha. “Ao dizer que o valor é para o prefeito, o Léo Pinheiro reforça que o valor não faz parte do esquema do deputado”, sustenta um aliado de Paes.

Cidinha brava
Vice na chapa de Pedro Paulo Carvalho (PMDB) à prefeitura, Cidinha Campos (PDT) foi tirar satisfação com jornalistas da Rede TV! após o debate de sábado. “Vocês puxaram o saco do bispo!”, disse, referindo-se a Marcelo Crivella (PRB). “O debate foi uma porcaria”, chiou junto ao repórter Fábio Barreto, que manteve a postura: “Respeito a sua opinião, mas discordo.” 

No aguardo
Romário (PSB) não anuncia publicamente o apoio a Crivella por temer represálias do correligionário Hugo Leal. Presidente estadual do partido e vice na chapa de Indio da Costa (PSD), Leal poderia prejudicar o tabuleiro do ex-jogador em outros municípios.

Data
O apoio de Romário só será anunciado após o dia 14 (amanhã), quando a nominata de prefeitos não poderá ser alterada.

Em campanha
Mesmo assim, o senador já liberou seu chefe de gabinete, Marco San (PSB), para fazer campanha para Crivella. Os dois últimos se encontram hoje na sede do PRB, no Centro.

Últimas de Rio De Janeiro