Romário declara apoio a Crivella na disputa pela Prefeitura do Rio

Senador vai contra as direções nacional e estadual de seu partido, o PSB

Por O Dia

Rio - Saiu o tão esperado anúncio do apoio oficial do senador Romário (PSB) a Marcelo Crivella, candidato do PRB à Prefeitura do Rio. A união foi selada na noite desta quarta-feira na casa do ex-jogador da Seleção na Barra da Tijuca. Romário disse que tomou a decisão devido ao compromisso firme de Crivella em intensificar os investimentos em Educação, Esporte e programas para pessoas com deficiência.

Segundo o senador Eduardo Lopes, presidente nacional do PRB e suplente de Crivella no Senado, em nenhum momento da conversa houve qualquer menção a negociação de secretaria ou qualquer cargo no governo.

O “Baixinho” explicou por que entrou na reta final do primeiro turno. “Ele deixou claro que não gosta de prorrogação, que quer resolver logo. Ele disse que sempre gostou de resolver o jogo no jogo, sem prorrogação”, afirmou Eduardo Lopes.

Romário vai acompanhar Crivella nesta quinta-feira em Campo Grande, na Zona Oeste, onde o candidato recebe o apoio de dissidentes do PEN e do PSL, dois partidos da coligação do candidato do PMDB, Pedro Paulo. O evento será às 13h no Restaurante Tropicália.

Crivella já recebeu a adesão de vários candidatos a vereador por partidos de outras coligações, como o PSB de Romário, oficialmente coligado com Indio da Costa (PSD), e PHS, também de Pedro Paulo.

Do encontro participou também o ex-dirigente da UNE Marcos San, dirigente estadual do PSB. Segundo Eduardo Lopes, que assumiu a vaga no Senado quando Crivella se licenciou para ser candidato, Romário disse que quer contribuir com ideias e projetos para as três áreas nas quais se baseou a união política: Educação, Esporte e Pessoas com Deficiência

Garotinho não terá cargo

Marcelo Crivella garantiu nesta quarta que, se ele for eleito prefeito, não terá o ex-governador Anthony Garotinho (PR) como secretário. Durante entrevista ao RJTV, Crivella defendeu a coligação de sua candidatura com o PR e reagiu aos falsos boatos de que negociou cargos em troca do apoio.

“A política precisa de alianças. Ninguém pode ganhar uma eleição sozinho, sobretudo uma eleição disputadíssima como é no Rio de Janeiro. A aliança nos deu tempo de televisão, mas não foi nenhuma condição do ex-governador de participar do nosso governo. Não há nenhum compromisso, nem ele pediu, para estar no meu governo. Quero deixar claro aqui que o Garotinho não vai participar do meu governo”, disse Crivella. Segundo ele, foi a deputada Clarissa Garotinho que convenceu o pai a fechar a aliança do PR com o PRB.


Últimas de Rio De Janeiro