PM constata 'gatos' em batalhões

Sem o roubo de água por vizinhos e contas indevidas, corporação prevê economizar R$ 3,5 milhões

Por O Dia

Rio - Auditoria realizada pela Polícia Militar constatou roubo de água por ligações clandestinas em diversas unidades da corporação. Além disso, o levantamento aponta cobrança indevida por parte da Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos) a endereços inexistentes ou que não pertencem à PM, ou ainda com localização genérica, como “Avenida Brasil, sem número”. A corporação estima economizar cerca de R$ 3,5 milhões este ano após instalações de hidrômetros, cancelamento de contas e o fim dos ‘gatos’.

Os dados constam no relatório da auditoria que teve início em outubro de 2015 a pedido da Diretoria de Logística e foi publicado em boletim interno da corporação. Em relação à Cedae, o documento diz ainda que houve “práticas abusivas nas faturas de cobrança”.

Também foi descoberto que todas as concessionárias cobravam acima dos padrões aferidos em hidrômetros instalados em unidades semelhantes, mesmo em unidades que possuíam o medidor instalado. A prática, segundo o relatório, “não reflete o real consumo, sendo forte fonte de vazamento de recursos financeiros”.

A PM também identificou em suas unidades “grandes consumidores de água”, nos quais foram verificadas ligações clandestinas feitas por moradores de comunidades carentes vizinhas. A corporação não cita quais batalhões tiveram água roubada pelos ‘gatos’, mas diz quais foram os principais consumidores. O Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) está no topo da lista.

A unidade especial, entre janeiro e agosto de 2015, teve uma conta equivalente a R$ 837 mil que, no mesmo período deste ano, ficou em R$ 201 mil. Uma das medidas adotadas foi a instalação de hidrômetro no batalhão, já que a fatura era cobrada por preço estimado.

No total, 12 contas cobradas da corporação referentes a locais que não eram da PM foram encontradas e outras 16 matrículas foram desativadas por desuso. Outras 46 unidades não possuíam hidrômetros quando a auditoria teve início. Atualmente, restam nove sem o equipamento. Entre janeiro e agosto deste ano, com a instalação dos medidores, houve uma economia de R$ 1,8 milhão.

Cedae diz que não foi questionada

Algumas unidades da PM tiveram a redução da conta de água em até 97% após a instalação de hidrômetros e conserto de vazamentos. É o caso do Museu da PM, localizado no Centro, em que a conta acumulada de janeiro a agosto de 2015 foi de R$ 26.678. Após as mudanças, a cobrança, no mesmo período deste ano, foi de R$ 735,85.

Até o Quartel General conseguiu reduzir a conta acumulada de R$ 669 mil para R$ 342 mil no período. No total, a corporação solicita cancelamento de contas que totalizam R$ 1, 4 milhão, entre janeiro de 2015 e julho deste ano.

A Cedae afirmou que a PM ainda não questionou a companhia sobre informações contidas no relatório e que discrimina mensalmente os valores das contas. Em nota, a companhia respondeu que “estranha tal informação, pois a Polícia Militar encontra-se inadimplente junto à companhia”. A Cedae também ressaltou “que alterações de titularidade só são efetuadas com a devida comunicação e apresentação de documentos à Cedae; até lá, o cliente fica responsável pela matrícula em questão”.

Últimas de Rio De Janeiro