Prefeitura diz que vai construir 10 mil casas na Região Portuária em dez anos

Recursos seriam obtidos por meio de parceria público-privada e através do programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal

Por O Dia

Rio - A prefeitura diz que construirá 10 mil casas populares na Região Portuária nos próximos 10 anos. Os recursos seriam obtidos por meio de parceria público-privada (via consórcio Porto Maravilha) e através do programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal.

“Estamos falando em um aumento de cerca de 40 mil pessoas naquela região. Quase o dobro do que tem hoje, 28 mil”, diz Pedro Paulo Carvalho (PMDB), candidato apoiado por Eduardo Paes à prefeitura.

Crise

O Informe mostrou, em agosto, que o programa Morar Carioca — que pretende urbanizar as favelas do Rio — recebeu apenas 17% dos recursos prometidos pela prefeitura entre 2014 e 2016. Sobre isso, Pedro Paulo responde: “O país entrou em crise. Muitos recursos do Morar Carioca eram frutos de recursos do governo federal.”

Com licença

O período de campanha eleitoral fez com que a Assembleia Legislativa atingisse ontem a marca de 19 deputados estaduais licenciados. O número representa 27% do total de 70 parlamentares que integram a Alerj.

Caiu

Como, além dos licenciados, outros 27 deputados faltaram, a sessão teve que ser adiada. São necessários ao menos 36 parlamentares presentes para que a sessão seja realizada.

Teme a Temer

Ex-PT, o prefeito de Niterói candidato à reeleição, Rodrigo Neves (PV), pediu a petistas que compõem a sua coligação para evitar qualquer alusão ao “Fora, Temer” quando estiverem em seu palanque.

Ministério Público

Alguns procuradores estão preocupados com a possibilidade de votação eletrônica para escolher o procurador-geral do estado. Atualmente na função, Marfan Martins Vieira é a favor da mudança. Concorrentes, no entanto, temem que a confidencialidade do voto seja quebrada, uma vez que caberá à equipe do atual procurador-geral controlar as máquinas.

Martelo batido

Um órgão especial composto por 22 procuradores decidirá hoje sobre a questão.

Últimas de Rio De Janeiro