Policiais civis aprovados em concurso fazem protesto na porta da Alerj

Manifestantes passaram a noite em frente à Casa. Eles se formaram em julho na academia, mas ainda não foram nomeados para trabalhar

Por O Dia

Rio - Um grupo de policiais civis, aprovados em concurso, protestam na porta da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), na manhã desta quarta-feira. Eles passaram a noite em vigília na frente da Casa em diversas barracas e cobram a nomeação e posse para os cargos para começarem a trabalhar.

Os policiais, um total de 96 aprovados para o cargo de papiloscopista policial, passaram por todo o procedimento após a aprovação — psocotécnico, testes físicos e avaliação médica — e realizaram o curso de formação da Academia da Polícia, que foi concluído em 15 de julho, mas até agora não houve nenhuma sinalização no sentido de convocá-los. O grupo vai ficar acampado até uma resposta positiva do estado indicando a nomeação, com a publicação no Diário Oficial, e a posterior posse.

Aprovados em concurso da Polícia Civil e que passaram por formação na academia para o cargo de papiloscopista ainda não convocados para trabalharDivulgação

"O curso durou seis meses, de forma integral. Todo este tempo estamos à disposição da polícia. Muita gente tinha emprego e teve que largar para se dedicar a intensa preparação da academia. Agora estamos desempregados, em casa, sem nenhuma resposta ou expectativa", disse à reportagem do DIA Marcelle de Araujo Lopes, 28 anos, uma das aprovadas no concurso, que foi realizado em dezembro de 2014. 

De acordo com a Secretaria de Segurança, o pedido de nome e posse dos policiais foi assinado e enviado pelo secretário José Mariano Beltrame em 9 de agosto de 2016 para a Casa Civil para publicação no Diário Oficial. Desde então, segundo a Seseg, o titular da pasta vem cobrando o provimento dos candidatos nas vagas. Procurada, a Secretaria de Fazenda ainda não se pronunciou.

Em uma carta divulgada pela comissão formada pelos aprovados, eles relatam que o cargo para o qual passaram — Papiloscopista Policial de 3ª classe — tem apenas dois servidores atuando, quando o ideal, segundo eles, é de 350. O último concurso para a função foi em 2002.

"A situação é muito crítica. Se nós, 96 aprovados dentro do número de vagas do edital, aptos para nomeação imediata, entrássemos amanhã, ainda assim haveria defasagem no cargo. O concurso anterior ao nosso foi há 14 anos", diz o texto.

Eles também ressaltam que o provimento não terá grande impacto na folha, visto que dos aprovados 25 já são servidores estaduais, 17 inclusive já trabalham na Polícia Civil em outros cargos.


Últimas de Rio De Janeiro