Polícia deve ouvir mais de 20 pessoas em investigação sobre morte de Falcon

Nesta quarta-feira, duas filhas do presidente da Portela assassinado prestaram depoimento, além de Selminha Sorriso, mulher de Falcon

Por O Dia

Falcon morreu com quatro tirosDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Rio - Investigadores da Delegacia de Homicídios da Capital ouviram até o momento 14 pessoas durante a investigação para prender os assassinos de Marcos Vieira de Souza, o Falcon, morto na última segunda-feira. O presidente da Portela, policial militar e candidato a vereador pelo Partido Progressista foi morto com quatro tiros de fuzil, dentro do seu comitê eleitoral, em Oswaldo Cruz.

Na próxima semana, o delegado Brenno Carnavale pretende interrogar outras 20 pessoas. “Temos que saber como era a vida dele, as desavenças. Não podemos descartar nada ainda”, afirmou.

Selminha Sorriso, mulher de Falcon, prestou depoimento nesta quinta-feira na DH, mas o teor das declarações não foi divulgado. Ela pode ser chamada para dar um novo depoimento, se a polícia achar necessário.

Falcon tinha sete filhos, alguns pequenos. Duas filhas afirmaram em depoimento que uma das desavenças era com o também candidato a vereador Fausto Alves, que concorre a uma vaga pelo mesmo partido. Carnavale disse que, até o momento, não há previsão de chamar Alves à delegacia.

Em 2000, Falcon chegou a trabalhar na Divisão Antisequestro ao lado do policial militar Geraldo Antonio Pereira, morto em maio deste ano no Recreio dos Bandeirantes. Tanto Falcon como Pereira foram mortos de forma semelhante: por homens encapuzados, que atiraram com fuzis, em plena luz do dia. Carnavale afirmou que a delegacia sabe desse elo, mas até o momento nenhum depoimento ou prova correlaciona os dois crimes.

Selminha Sorriso, porta-bandeira da Beija-flor e mulher de Marcos Falcon, postou um desabafo nas redes sociais ontem. No texto, ela lamentou a morte do marido. “Foram muitos anos de amor e aprendizado! Ontem fui à beira do mar e lá chorei, orei, clamei para que os bons espíritos o recebessem com amor, assim como, os seus antepassados. Agradeci a ele pelo tempo em que passamos juntos, pela maturidade que adquiri junto a ele, pela doação de amor!”, escreveu.

Últimas de Rio De Janeiro