Por rafael.nascimento

Rio - Uma estátua de Nossa Senhora da Conceição não sofreu danos no incêndio que atingiu o prédio da reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no final da noite de ontem. A imagem estava sendo restaurada no Curso de Conservação e Restauração da universidade, que funciona no sétimo andar do prédio, no Fundão, Zona Norte do Rio. A imagem, de 1,10m, é tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

Na foto a vice-diretora da Escola de Belas Artes%2C Madalena Grimaldi e Diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo%2C Mauro SantosLuiz Ackermann/Agência O Dia

Esse é o segundo incêndio que a santa consegue escapar ilesa. O outro ocorreu em 2011, na Capela São Pedro de Alcântara, na Urca, Zona Sul, localizada no interior do campus da Praia Vermelha, outra unidade da UFRJ. Na ocasião, ela foi retirada para restauro dias antes da capela ser consumida por chamas e, por isso, foi a única estátua que restou do interior do templo.

O fato da estátua sair ilesa foi motivo de comemoração por parte da vice-diretora da Escola de Belas Artes, que esteve na manhã de hoje na reitoria. "A gente tem a única escultura que sobrou de quando pegou fogo na Praia Vermelha da capela, ela estava aqui pra ser restaurada. Graças a Deus ela foi preservada justamente porque estava aqui. A nossa preocupação era saber se ela ainda estava preservada", disse Madalena Grimaldi.

Segundo Madalena, o fogo que atingiu a reitoria continua com focos no oitavo andar, onde funcionava a parte administrativa da UFRJ. A sala da Pró-Reitoria 1, onde estavam os diplomas, não foi atingida. Já as salas onde estavam a documentação pessoal dos professores e outros funcionários foram totalmente destruídas.

Na foto a vice-diretora da Escola de Belas Artes%2C Madalena Grimaldi e Diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo%2C Mauro SantosLuiz Ackermann/Agência O Dia

Também no sétimo andar, onde funciona a Escola de Belas Artes e o museu Dom João VI, ocorreu somente inundação. O museu possui obras raras de Augusto Taunay, Jean Batiste Debret, Charles Simon Pradier e Grandjean de Montigny.

As aulas para cerca de 5 mil alunos que estudam no prédio de oito andares estão suspensas por tempo indeterminado. A Polícia Federal faz perícia no local e os bombeiros tentam determinar as causas do incêndio.

Você pode gostar