Light corta energia e paralisa Cehab

Estatal diz que servidores trabalham aproveitando 'luz natural' e terminam tarefas em casa

Por O Dia

Rio - Responsável pela política habitacional do estado para a população de baixa renda, a Companhia Estadual de Habitação (Cehab) está sem casa. O órgão —incorporado à Secretaria de Obras com a mini-reforma de julho — está sem funcionar desde 16 de junho, quando a Light cortou a energia da sede, na Rua da Quitanda 80, Centro, por falta de pagamento. Sem energia, o serviços foram paralisados e os funcionários, dispensados.

Segundo um servidor da Cehab, a rotina é comparecer à portaria, onde “fica um tempo e volta para casa”. “Nada funciona. Não tem elevador, ar condicionado e nem computador”, disse. Em nota, a Cehab informou estar buscando soluções para regularização de débitos e normalização de suas atividades e que mutuários foram orientados a se dirigir às agências de atendimento.

Com relação ao serviço da sede, a nota diz que “ funcionários trabalham na Rua da Quitanda, aproveitando a luz natural. Depois terminam suas tarefas em esquema de home office (trabalho em casa)”.

Somente de energia elétrica, a dívida da Cehab atinge R$ 232 mil. Somando as cotas condominiais que não são quitadas desde janeiro de 2015, o calote atinge R$1,2 milhão. Isso sem contar o aluguel do prédio, que é de R$450 mil por mês e também não vem sendo honrado. Quem precisa resolver algum problema sofre.

“Meus pais, que já faleceram, compraram um apartamento financiado pela Cehab na Vila Kennedy. Estou há quatro meses tentando regularizar o imóvel e não consigo. Dizem que está tudo fora do ar”, reclama o auxiliar administrativo Paulo Abraão, 41, que esteve mais uma vez na sede da empresa pública e encontrou tudo às escuras.

A Cehab recorreu à Justiça para obrigar a Light a restabelecer a energia, alegando que o serviço público é essencial, mas não obteve sucesso. Agora, o órgão está suplicando pelo religamento provisório por, pelo menos, 20 dias, para que possa transferir computadores, móveis e arquivos para um imóvel no Mercado das Flores e voltar a funcionar. 

Últimas de Rio De Janeiro