Freixo propõe mobilização da sociedade para debater problemas do Rio

Candidato chega ao 2º turno com a tarefa de burilar imagem para afastar a pecha de radical e, dessa forma, cooptar o voto dos eleitores de centro

Por O Dia

Programa de governo de Freixo foi elaborado ouvindo 5 mil pessoasMárcio Mercante / Agência O Dia

Rio - Depois de receber 553.424 votos, o correspondente a 18,26% dos votos válidos, no primeiro turno das eleições, o candidato do Psol à Prefeitura do Rio, Marcelo Freixo, chega ao segundo turno com a tarefa de burilar sua imagem para afastar a pecha de radical e, dessa forma, cooptar o voto dos eleitores de centro. Apesar de declarar neutralidade, o PSDB de Carlos Osório já orientou não votar em Freixo. O PSD de Indio da Costa (PSD) deve trilhar o mesmo caminho.

Freixo se coloca à esquerda do PT e, no segundo turno, tem a seu lado os candidatos derrotados do PCdoB, Jandira Feghali, e da Rede, Alessandro Molon. Espera agora ampliar o leque de apoios.

Em sua página na internet, Freixo informa que o programa de governo foi construído junto com mais de cinco mil pessoas, em 70 encontros. Parte das propostas é centrada na defesa de direitos de minorias.

Aos 49 anos, Marcelo Freixo disputa pela segunda vez a Prefeitura do Rio. Foi candidato em 2012, quando chegou na segunda posição com 914 mil votos. Apesar da expressiva votação do candidato do Psol, o prefeito Eduardo Paes (PMDB foi reeleito em primeiro turno.

Freixo é professor de História formado pela Universidade Federal Fluminense. Foi filiado ao PT entre 2000 e 2004, mas foi no Psol que se elegeu pela primeira vez como deputado estadual, em 2006. Em 2010, se reelegeu como o segundo deputado mais votado.Em 2014, se elegeu como deputado estadual mais votado do Brasil.

Propostas

Segurança Pública

Criar um novo plano de cargos e salários para a Guarda Municipal . Incentivar a ocupação de espaços públicos com atividades culturais, esportivas e de lazer: “ruas ocupadas são mais seguras”, diz o programa.

Saúde

Reformar o sistema municipal de saúde, extinguindo o modelo das Organizações Sociais (OSs), hoje responsáveis pela gestão das Unidades de Pronto Atendimento(UPAs) e postos de atendimento. Realizar concursos públicos e criar um novo plano de carreira para os servidores.

Transporte

Criar a Empresa Pública de Transportes para a gestão, planejamento e fiscalização do sistema de transportes. Reduzir progressivamente o preço das passagens e garantir a tarifa zero em regiões mais pobres. Extinguir a dupla função de motorista/cobrador de ônibus.

Educação

Estabelecer o método de “gestão democrática” da rede de ensino, onde haverá a participação direta na escolha de diretores das escolas e creches públicas. Investir na valorização salarial dos servidores com novos planos de carreira.

Cultura

Ampliar o horário de funcionamento e construir novas bibliotecas. Criar zonas livres para grafite. 

Emprego

Criar a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Social. Ampliar a participação popular nas decisões trabalhistas, por meio do Conselho Municipal de Trabalho. Fortalecer Centros Públicos de Emprego, Trabalho e Renda, para que realizem melhor a intermediação de mão de obra.

Saneamento

Criar a Empresa Pública de Saneamento Ambiental, vinda da união da Comlurb com a Rio Águas, para articular a política de saneamento ambiental ao planejamento urbanístico de cada região do município. Propõe ainda a criação da Subsecretaria Municipal de Saneamento Ambiental.

Últimas de Rio De Janeiro