Por gabriela.mattos

Rio - Com ideologias tão opostas quanto água e óleo, Marcelo Crivella (PRB) e Marcelo Freixo (Psol) concordam em ao menos uma questão que terá impacto direto na macroeconomia do país pelos próximos quatro anos: a eleição presidencial dos Estados Unidos, segundo maior parceiro comercial do Brasil, atrás apenas da China.

Tanto o prefeito eleito quanto o psolista, que divergiram sobre quase tudo no segundo turno, disseram à coluna que preferem ver Hillary Clinton, do Partido Democrata, à frente do posto mais importante do mundo. O concorrente Donald Trump, do Partido Republicano, é acusado de assédio sexual e tem como promessa erguer um muro entre EUA e México.

Reta final

Sempre polêmico, Trump afirmou recentemente que, caso perca, não reconhecerá o resultado das urnas. A eleição pegou fogo após o republicano crescer nas pesquisas na reta final da campanha. Os norte-americanos escolherão seu futuro presidente na terça.

Repouso e encontro

Em viagem a Israel após a maratona eleitoral, Crivella tem dois compromissos em sua agenda: encontrar-se com o primeiro-ministro daquele país, Benjamin Netanyahu, e visitar o Muro das Lamentações.

Alianças

Crivella avalia ter em sua base 39 dos 51 vereadores da Câmara Municipal, o equivalente a 76% do parlamento. Boa parte do apoio conquistada com a ajuda do presidente da Casa, Jorge Felippe (PMDB).

Cartão Reforma

O presidente Michel Temer pretende anunciar quarta, no Palácio do Planalto, o Cartão Reforma, que dá crédito de até R$ 5 mil a moradores de habitações populares. “Ajudará quem pretende aumentar um quarto, cimentar a casa, ampliar o banheiro”, diz. A medida surge como espécie de contraponto após o governo aprovar na Câmara dos Deputados a contestada PEC 241, conhecida como a do Teto dos Gastos.

Torcida em silêncio

Cauteloso, Temer não se pronuncia sobre uma eventual preferência por Hillary ou Trump.

Trampo

Por conta de sua recuperação física, o planejado era que Pezão trabalhasse, no máximo, 4 horas por dia. Mas desde que reassumiu, terça, o governador tem ultrapassado o combinado em uma hora.

Você pode gostar