Por thiago.antunes
Rio - O comandante-geral da PM, coronel Wolney Dias, afirmou que policiais militares podem participar do protesto agendado para às 10h de hoje, em frente à Alerj, desde que estejam de folga. “Eles são livres para se manifestar. Não haverá punição”, afirmou, durante sua primeira entrevista coletiva, realizada no Quartel-General, na manhã de ontem. Os regulamentos militares proíbem manifestações político partidárias com policiais armados, o que caracterizaria uma forma de motim.
Novo comandante-geral (E) fez mudanças em algumas unidadesDivulgação

Vários comandantes de batalhões estão convocando a tropa para participar da manifestação contra o pacote de medidas econômicas que o governo quer aprovar para enfrentar a crise. Umas das mais polêmicas são a redução em 30% do salário dos servidores e o fim da gratificação por tempo de serviço.

Alguns comandantes desmarcaram reuniões comunitárias para que o máximo de PMs de folga vá ao protesto. Grupos de familiares estão organizando vans de transporte para levar mais pessoas ao ato, além de providenciar a compra de gelo. A manifestação contará diferentes classes de servidores estaduais.
Publicidade
Indagado se participaria do protesto, o coronel Wolney ironizou. “Lá estarei, balançando uma bandeira, pedindo ‘fora governador’, aham”. O oficial, porém, quis minimizar a motivação da tropa caso o salário seja reduzido.
“Aqui não temos mercenários. Ninguém vem pra cá para se tornar rico. Salário é uma questão motivacional, mas não é a única. O PM se motiva por servir bem à população, a quem jurou defender. Eu conto com os heróis anônimos que estão sangrando diariamente, conto com sua paixão pela profissão”, afirmou.
Publicidade
O discurso é similar ao do secretário de Segurança Pública, Roberto Sá, que o chamou da reserva para o comando da PM e usou os mesmo termos em entrevista ao DIA. Os dois foram companheiros de turma na academia da corporação, em 1983.

Uma mulher à frente do GAM
Publicidade
O comandante-geral anunciou algumas mudanças, como a nomeação da tenente-coronel Clarisse Antunes para o comando do Grupamento Aeromóvel. Outra troca ocorreu na Coordenadoria de Polícia Pacificadora e no 1º Comando de Policiamento de Área. No primeiro, foi nomeado o coronel André Luiz Belloni, e o 1º CPA foi assumido pelo também coronel André Silva de Mendonça. Comandos de Niterói e São Gonçalo também vão mudar.