Servidores de São Gonçalo estão sem salário há dois meses

Paralisação está marcada para a próxima sexta-feira

Por O Dia

Rio - A vida não está fácil para os servidores. Além do ‘pacote’ do governo do estado, que preocupa o funcionalismo estadual, muitos municípios devem salários aos funcionários, que, pouco a pouco, se rebelam. Em São Gonçalo, o Sindicato dos Servidores Públicos Efetivos (Sindspef) anunciou paralisação de 24 horas para esta sexta-feira.

Para o mesmo dia, também está marcado um protesto nas escadarias da prefeitura, às 9h. Os trabalhadores aguardam o salário de setembro, sendo que ainda nem viram a cor do 13º do ano passado. Ao todo, são mais de dez mil servidores na cidade — sete mil na ativa

e mais de três mil inativos ou pensionistas.
Anunciada a greve, o sindicato recebeu informações de que aposentados e professores receberiam o valor de setembro ainda ontem. Mas, até o fechamento desta edição, o dinheiro não havia entrado na conta dos servidores. “A paralisação está mantida. Recebendo ou não, temos que parar para mostrar alguma coisa a eles”, diz a presidente do Sindspef, Rosângela Coelho.

Belford Roxo

Também na sexta-feira, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belford Roxo vai se reunir em com funcionários das secretarias. No município, os atrasos a trabalhadores da pasta de Saúde chegam a três meses, segundo eles.

A prefeitura alega que economizou aproximadamente R$ 3 milhões com exonerações e que os salários já começaram a ser regularizados. E reivindica, ainda, o repasse das verbas estaduais e federais.

?Reportagem do estagiário Caio Sartori

Últimas de Rio De Janeiro