Torcedor do Flamengo é morto a pauladas em Realengo

Nas redes sociais, parentes e amigos se indignaram com a morte do rapaz e disseram que ele foi atacado por integrantes de uma torcida organizada

Por O Dia

Rio - Um homem foi morto a pauladas, na noite deste domingo, enquanto voltava do jogo entre Flamengo e Coritiba, em Realengo, na Zona Oeste do Rio. Paulo Vitor Braga Araújo, de 29 anos, torcedor do Flamengo, foi agredido com um pedaço de pau por vários homens e não resistiu aos ferimentos. Segundo relatos nas redes sociais, torcedores do Vasco teriam sido os responsáveis pela morte do rapaz. A Delegacia de Homicídios (DH) investiga o caso. 

Um amigo de Paulo, que ainda não teve o nome divulgado pela Polícia Civil, também foi espancado e levado para um hospital da região. Ainda não há informações sobre seu estado de saúde.

Paulo Vitor voltava de uma partida no MaracanãReprodução Facebook

Nas redes sociais, parentes e amigos se indignaram com a morte do rapaz e disseram que ele foi atacado por integrantes de uma torcida organizada. 

“Saindo do lanche depois da igreja passo em frente ao Colegio Realengo, onde alguns rapazes de uns 20 anos se jogam na frente do carro pedindo socorro. Passei direto mas voltei pq meu coração pesou. Quando paramos o carro, encontro dois homens caídos no chão (flamenguistas) com muito sangue e muito machucados, não tem palavras que consigam descrever o estado em que eles estavam, nunca vi tanto sangue em toda minha vida. Briga de torcidas. Vascainos bateram neles com madeiras, e na ponta da madeira um prego. A gente para pra pensar quanto custa uma vida. Um jogo? Homens correndo atrás de uma bola? Um escudo? E as famílias? E a dor física que esses rapazes sentiram? Um deles veio a falecer durante a madrugada, afundamento craniano, aquele que tentamos ajudar, mas não deu tempo. O outro está em estado gravíssimo, com TCE. Até quando qualquer coisa vai valer mais que uma vida? Como as pessoas podem ser tão desumanas? Como as pessoas não conseguem se colocar no lugar do outro? Empatia gente!”, diz uma mensagem compartilhada no Facebook.

De acordo com a Polícia Civil, testemunhas estão sendo ouvidas e as investigações ainda estão em andamento para a identificação dos autores e as circunstâncias do crime. 

Últimas de Rio De Janeiro