Coluna Incluir: Conhecimento ao alcance das mãos

Há alguns anos, estão surgindo novos produtos e serviços para atender necessidades específicas de pessoas com deficiência

Por O Dia

Rio - Todo mundo gosta de aprender coisas novas, pois, mais que abrir nossas mentes, o conhecimento pode nos abrir portas. Seja no âmbito social, cultura ou intelectual, aprender nunca é demais. No entanto, quando pensamos no acesso de pessoas com deficiência ao conhecimento, surgem inúmeras dúvidas, já que além das barreiras físicas, como a falta de rampas para cadeirantes, de braile e audiodescrição para pessoas cegas, ou ainda, de intérpretes da Língua de Sinais, para pessoas surdas, existem também as barreiras atitudinais.

Há alguns anos, estão surgindo novos produtos e serviços para atender necessidades específicas de pessoas com deficiência, em especial, no setor tecnológico, que apresenta uma variedade de aplicativos e programas, entre softwares para leitura e aplicativos que identificam cores e notas de dinheiro, por exemplo. Tudo para garantir o bem-estar e a segurança de milhares de pessoas, em especial, as que tem algum tipo de deficiência.

Quando o assunto é inclusão cultural, podemos nos orgulhar de ter espaços incríveis, como a Biblioteca Parque Estadual, fundada em 1873, por Pedro II, e que reúne acervo com mais de 200 mil itens, incluindo obras literárias, títulos técnicos, quadrinhos e cerca de 20 mil filmes, além de dispor de um ambiente dedicado às pessoas com deficiência, equipado com materiais de auxílio à leitura, impressora em alto relevo, máquina de aumento de visão, teclado com alto-relevo e impressora em braile. Por lá, também estão disponíveis softwares e aplicativos de leitura e voz.

Outra opção que merece destaque, o Museu do Amanhã conta com piso podotátil, rampas, elevadores e maquetes táteis, além de uma equipe de educadores que fazem a diferença no atendimento a pessoas com deficiência. Para que as pessoas com deficiência visual possam apreciar as obras da exposição fotográfica ‘Lentes da memória – a descoberta da fotografia’, do fotógrafo Alberto de Sampaio, a curadora Adriana Martins fez questão de dispor de recursos de acessibilidade, como imagens impressas em 3D, audioguias e informações em braile. A mostra, que pode ser conferida até dia 4, no Centro Cultural Correios, reúne fotografias do Rio, em registros com mais de 100 anos.

?Coluna de Julliana Reis

Últimas de Rio De Janeiro