Por gabriela.mattos

Rio - Cinco pessoas foram indiciadas, nesta sexta-feira, após a queda de uma câmera no Parque Olímpico no dia 15 de agosto. Na ocasião, oito pessoas ficaram feridas, inclusive uma criança. Os técnicos Alexsander Brozec, Daniel Goestch e Thomas Schindler, o engenheiro da Olympic Broadcasting Services (OBS) John Arthur Pearce e o gerente geral das instalações do parque, André Mendonça Furtado Mattos, responderão por lesão corporal.

Segundo informações da Polícia Civil, a OBS era detentora dos direitos de imagem dos Jogos Olímpicos e, para fazer a cobertura do evento, utilizava um sistema de câmaras por cabos suspensos. A instalação e manutenção dos equipamentos ficavam sob a responsabilidade da Empresa CAMCAT - Systems Gmbh, contratada pela OBS.

Queda de câmera no Parque Olímpico deixou oito pessoas feridas%2C no dia 15 de agosto%2C durante a OlimpíadaReprodução Twitter

De acordo com a polícia, considerando a altura, o peso e o tamanho do equipamento, "a queda poderia ter causado até a morte de uma das vítimas. As investigações mostraram também que as empresas contratadas não elaboraram planejamento adequado para a segurança dos participantes, "apesar de ser um evento de porte internacional e da previsibilidade de eventual rompimento de cabos".

A polícia destacou que, mesmo após a queda da câmera, os responsáveis não se preocuparam com a possibilidade do rompimento dos outros cabos, decidindo pela retirada do equipamento apenas no período noturno, quando as atividades diárias do Parque já estivessem encerradas.

"Em momento algum os responsáveis se preocuparam em deixar à disposição uma plataforma para situações emergenciais, como foi o caso, ou em estabelecer contato prévio com empresas que trabalhem neste ramo para acionarem caso necessário", acrescentou.

Delegada da 42ª DP (Recreio), Carolina Salomão explicou que os integrantes das empresas "tinham o dever de impedir o resultado, uma vez que, em razão do contrato, assumiram a posição de agentes garantidores".

Você pode gostar