Por rafael.nascimento

Rio - Um homem de 26 anos foi morto dentro de casa por uma bala perdida na comunidade Kelson's, na Penha, na tarde de quarta-feira. O vigilante Rafael de Souza Oliveira Monteiro chegava do trabalho por volta das 15 horas, quando teria começado uma operação do 16º BPM (Olaria). Segundo a família, ele foi atingido durante um confronto entre policiais e traficantes.

Rafael Monteiro%2C 26 anos%2C foi baleado na cabeça e não resistiu Reprodução Internet

"Ele estava no quintal guardando a bicicleta quando foi atingido", conta a viúva de Rafael, Vilma Costa, 38 anos. O vigilante foi levado com vida para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiu. Segundo a viúva, por ele ficou internado das 16h às 22h, quando foi transferido para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias porque o tomógrafo do Getúlio Vargas não estava funcionando.

O vigilante passou por uma cirurgia, mas não resistiu e morreu na madrugada desta quinta-feira.

"Meu marido era trabalhador. Era um homem bom. Ele fazia tudo para me vez feliz. Estava desempregado, mas conseguiu um bico para me ajudar a pagar as contas", lamenta a viúva. Segundo a Polícia Civil, Rafael nunca teve passagens pela polícia.

O corpo do vigilante foi transferido para o Instituto Médico Legal (IML) de Duque de Caxias. Ainda não há previsão para velório e o enterro.

Contradição no registro de ocorrência

Nesta quinta-feira, segundo a assessoria de imprensa da PM, por telefone,  por volta das 20h40, o comandante do 16º BPM (Olaria) foi informado de que um morador havia sido baleado na Kelson's e ele determinou que uma viatura fosse enviada ao Getúlio Vargas. Ao chegar na unidade de saúde, os PMs teriam confirmado o fato. Ainda de acordo com a corporação, os militares seguiram para a 22ª DP (Penha) e registraram um boletim de ocorrência. No entanto, a Polícia Civil desmente a PM e nega haver qual registro de com o nome de Rafael de Souza Oliveira Monteiro, o vigilante morto, naquela distrital.

De acordo com a Polícia Civil, existe um registro de ocorrência em nome de Rafael, mas feito por um médico na 60ª DP (Campos Elíseos), que pedia a remoção do corpo para o Instituto Médico Legal (IML) de Duque de Caxias. Segundo o órgão, sem o boletim de ocorrência seria impossível que a Delegacia de Homicídios (DH) da Capital fizesse uma perícia no local para descobrir de onde partiu o tiro que matou o vigilante. 

A Secretaria Estadual de Saúde confirmou que o tomógrafo do Getúlio Vargas está parado a espera de conserto. Segundo a secretaria, Rafael foi atendido por uma equipe de cirurgia geral e de neurocirurgia, depois transferido para o Hospital estadual Adão Pereira Nunes para uma tomografia de crânio, mas não resistiu e morreu.  A direção do Getúlio Vargas confirmou que o equipamento está quebrado desde domingo. Segundo a unidade médica, o aparelho entrou em manutenção no último domingo e a previsão é que a revisão seja concluída até a próxima semana. No entanto, o hospital não especificou o dia que o equipamento será disponibilizado a população. 


Reportagem do estagiário Rafael Nascimento

 

Você pode gostar