Por luana.benedito

Rio - A disputa entre taxistas e motoristas do Uber acabou em confusão no Aeroporto Santos Dumont. Cerca de 200 taxistas depredaram o lounge do aplicativo, que serve de apoio para os passageiros, no Shopping Bossa Nova (no aeroporto), na tarde desta terça-feira, no Centro do Rio. O atendimento foi paralisado por cerca de duas horas.

Taxistas protestam contra Uber no aeroporto Santos DumontReprodução Internet

O grupo chegou ao local gritando e destruíram a estrutura. O gerente-geral da Uber do Rio, que preferiu não ser identificado, disse que eles quebraram carros, que estavam próximos ao local. “Seguiram para um bolsão onde os motoristas esperam. Danificaram seis carros”. Pelo menos 20 passageiros aguardavam no local. Entre eles, estava a ex-BBB Ana Paula Renault, que foi xingada. Ela contou, em seu perfil no Twitter, que fez “questão de sair do aeroporto escoltada, mas de Uber”.

O motorista do Uber Wellington Abreu, de 37 anos, contou que estava a caminho do lounge quando soube da manifestação. “Cheguei para ajudar os parceiros, porque os taxistas estavam em grande número”. O presidente do Conselho Nacional dos Taxistas do RJ, Marcos Bezerra, avaliou que o ato foi um desespero dos taxistas. “O taxista está beirando o desespero, e está chegando ao ponto de tomar atitudes radicais para chamar atenção da sociedade porque o Uber está acabando com a categoria”.

O taxista Alexandre Souza, de 41 anos, que acompanhou a movimentação de longe não apoiou a atitude dos colegas. “Não sou a favor da quebradeira, mas eu também não concordo com o aplicativo. Eu acho errado o uber, porque eles não pagam impostos”.

A professora universitária Ana Paula Pezzin, de 45 anos, que veio de Joinville, em Santa Catarina, enfrentou dificuldades para conseguir utilizar o serviço. “Cheguei aqui há meia hora e ainda não consegui pegar o uber, porque o sistema está fora do ar. Eles me alegaram que teve uma manifestação mais cedo e por conta disso eles tiveram que paralisar o aplicativo aqui no ponto do aeroporto”.

Em nota, a empresa Uber disse considerar inaceitável o uso de violência e acredita no direito de escolha de todo cidadão, que queira se movimentar pela cidade. A atividade do Uber está garantida por liminar da Justiça. O 5º BPM (Gamboa) foi acionado e controlou a situação. Ninguém ficou ferido.

?Reportagem da estagiária Marina Cardoso

Você pode gostar