Quadrilha de policiais é presa em Niterói

PMs e civis foram denunciados por roubo, coação, falsidade ideológica e organização criminosa

Por O Dia

Rio -Uma força-tarefa unindo o Ministério Público estadual e as forças de segurança prendeu, na manhã de hoje, o capitão da Polícia Militar Leandro Garcia Rodrigues Madeira, o soldado Thiago Barbosa Faria Vieira, os policiais civis Ubirajara de Jesus Júnior (vulgo Biriba ou Júnior) e Ricardo Gonçalves da Rocha, além de outros quatro integrantes de uma quadrilha acusada dos crimes de roubo, falsidade ideológica, coação, violação de sigilo funcional e organização criminosa. Com eles, foram apreendidos armas, uma moto, documentos e celulares.

Marcelo Tinoco de Carvalho é ex-policial civilDivulgação

As investigações começaram após o dia 13 de setembro, quando cinco dos oito presos abordaram uma vítima na saída de casa, em Itaipu, Niterói. Se fazendo passar por policiais da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas (Draco) e com falsos mandados de busca e apreensão, ele forçaram a vítima a entrar em casa e a algemaram. Em seguida, vasculharam a casa e roubaram um Renault Duster avaliado em R$ 35 mil, 13 relógios, roupas, jóias, computadores e aproximadamente R$ 15 mil.

A vítima ainda foi ameaçada, dias depois, para que fornecesse os documentos do carro aos integrantes da quadrilha para realização de transferência da titularidade, sob pena de nova incursão à sua casa e suposta continuação de apuração de fatos ilícitos relacionados a uma inexistente clonagem de cartões de crédito.

Participaram deste falso cumprimento de mandado de busca e apreensão o policial civil Ubirajara Junior, atualmente lotado na Delegacia de Roubos e Furtos, o soldado PM Thiago Vieira, o ex-policial civil Marcelo Tinoco de Carvalho, Alexandre Mota de Assis e Marco Antonio Silva Carvalho.

"Eles chegaram à vítima a mando do capitão Madeira, que era amigo da vítima, conhecia suas posses e sabia que tinha potencial para ser extorquido. Já o policial civil Ricardo Gonçalves da Rocha, lotado na 74ª DP fornecia informações sigilosas sobre a vítima ao grupo", contou o delegado Alexandre Herdy, da Draco.

Também foram presos em flagrante, durante a operação, Alexandre e Carlos Henrique da Silva Venturini. Ele foram levados por policiais da Corregedoria do Detran e encaminhados para a 65ª DP (Magé) para a apuração de crime de falsidade documental na transferência do veículo. O policial civil lotado nessa delegacia Erick Martins de Souza Marques também acabou investigado por solicitar vantagem indevida para liberar o veículo roubado. Ele está entre os denunciados na ação.

Marco Antonio Silva Carvalho também fazia parte de quadrilhaDivulgação

A regularização do veículo roubado motivou, ainda, a prática de falsificação de documentos para a obtenção da segunda via do CRV (Certificado de Registro de Veículo) por parte de Franklin de Souza Veloso Mattos, Thiago José de Marins, Matheus do Espírito Santo Marins e Alberto José de Marins (vulgo Betinho), que também foram denunciados.

Os responsáveis pela corregedoria da Polícia Militar, coronel Weslte Medeiros, e da Polícia Civil, Glaudiston Lauriano, informaram que procedimentos administrativos foram instaurados para a expulsão dos policiais militares da corporação, e a demissão dos policiais civis.

Últimas de Rio De Janeiro