Prefeitura do Rio cancela processo de licitação do Parque Olímpico da Barra

Das nove instalações, sete seriam mantidas: Arenas Cariocas 1, 2 e 3, Parque Aquático Maria Lenk, Arena Rio, Velódromo e Centro de Tênis

Por O Dia

Rio - Segue indefinido o futuro do Parque Olímpico da Barra. A Prefeitura do Rio de Janeiro cancelou o processo de licitação da principal área dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 porque a única empresa que havia feito proposta para a exploração da área não conseguiu apresentar as garantias financeiras necessárias. Assim, um novo processo licitatório deverá ser aberto.

A decisão segue orientação da Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas (Secpar), que recomendou o cancelamento da licitação. A Sanerio, que havia feito a proposta, ainda pode recorrer.

Prefeitura do Rio cancela processo de licitação do Parque Olímpico da BarraBarra em Dia

A exploração do Parque Olímpico da Barra pelos próximos 25 anos é uma incógnita que se arrasta desde o fim dos Jogos Paralímpicos, em setembro. A abertura do processo de licitação foi adiada quatro vezes. Quando finalmente a concorrência foi aberta, apenas uma empresa se apresentou. Mesmo assim, o prefeito eleito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), havia declarado que cancelaria o processo por não concordar com os termos.

Pela licitação que estava em andamento, das nove instalações que compõem o Parque Olímpico, sete seriam mantidas: as Arenas Cariocas 1, 2 e 3, o Parque Aquático Maria Lenk, a Arena Rio, o Velódromo e o Centro Olímpico de Tênis. A Arena do Futuro seria desmontada e transformada em escolas, enquanto que o Estádio Aquático deverá ser desmembrado - tudo a cargo da empresa que oferecesse a menor proposta de contrapartida. Uma pista de atletismo, um alojamento e duas quadras de vôlei de praia deverão ser construídas.

Últimas de Rio De Janeiro