DH faz buscas na casa de PM reformado suspeito de chacina no Recreio

Investigadores também estão procurando o atirador em outros pontos da capital fluminense. Suspeito teve foto divulgada nesta segunda-feira

Por O Dia

Rio - A Divisão de Homicídios fez buscas, nesta segunda-feira, na casa do policial militar reformado Luiz Carlos Machado Paixão, de 55 anos, no Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes, onde ele assassinou cinco pessoas, sendo quatro da mesma família, incluindo um recém nascido, após uma briga dentro de um bar, na noite da última sexta-feira. Os investigadores também estão procurando o atirador em outros pontos da capital fluminense. O suspeito teve a prisão temporária decretada no último sábado. A foto de Luiz Carlos Machado Paixão foi divulgada nesta segunda-feira.

PM reformado Luiz Cláudio Machado Paixão%2C de 55 anos%2C acusado de matar todos a tiros em um bar após uma brigaDivulgação

A confusão ocorreu por volta das 20h, no Bar do Sapatinho, localizado na Rua D W. Segundo testemunhas, a briga começou após uma discussão entre o policial militar reformado e as vítimas Lutero Barbosa da Silva, de 36 anos, e Francisco Pimenta Rosa, de 25 anos, que eram da mesma família. O suspeito agrediu com um revólver os dois homens na cabeça.

Após as agressões físicas, Paixão atirou no abdômen e na cabeça das vítimas. A esposa de Lutero Barbosa foi ao local tentar apartar a confusão, mas também foi baleada, à queima roupa, na cabeça. Patrícia Pimenta Rosa, de 32 anos, estava grávida de oito meses. Ela foi levada para a Maternidade Leila Diniz, na Barra da Tijuca, mas não resistiu. A criança chegou a nascer com vida, mas logo depois acabou morrendo.

Na saída do bar, o sargento reformado da PM atirou na cabeça de uma mulher que passava pela calçada. Markeli Maria Leite, de 39 anos, morreu no local. Após executar as vítimas, Luiz Carlos Machado Paixão prometeu matar todos os membros da família de Lutero e Francisco.

Uma testemunha do caso registrou queixa de ameaça na 42 DP (Recreio dos Bandeirantes). Até o momento, nenhum sobrevivente pediu para ingressar no Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas.

O titular da Divisão de Homicídios, delegado Fábio Cardoso, classificou o suspeito como uma pessoa violenta e covarde. "Um cara desequilibrado, perigoso e violento. Teve um desentendimento bobo, se sentiu ofendido por ter sido contrariado e executou as pessoas de forma covarde e brutal." Disse Cardoso.

O suspeito era conhecido na comunidade como uma pessoa violenta, que andava armada e ameaçava moradores. Quando ficava bêbado, o sargento reformado costumava arrumar confusão.

Os investigadores já ouviram testemunhas para elucidar o caso e descobrir o paradeiro de Luiz Carlos Machado Paixão. A Policia Civil não confirmou a participação do suspeito em grupo de milicianos do bairro. Paixão vai responder por cinco homicídios qualificados. Se for condenado, ele pode pegar até 150 anos de prisão.

Quem tiver informações que levem a prisão do suspeito pode entrar em contato com a Central de Atendimento ao Cidadão (CAC) através dos telefones (21) 2334-8823 e 2334-8835 ou pelo chat através do site https://cacpcerj.pcivil.rj.gov.br. O anonimato é garantido.

*Reportagem de Jonathan Ferreira