Eduardo Paes admite que 2017 será de crise e que Crivella deve fazer cortes

'Acho que ele está correto em zelar pelas contas públicas. O Brasil está em uma crise profunda, não vai ser um período fácil', diz Paes

Por O Dia

Rio - O prefeito Eduardo Paes admitiu ontem que 2017 será um ano de crise para o município e comentou as declarações de seu sucessor Marcelo Crivella sobre a previsão de queda de R$ 4 bilhões na arrecadação do município em 2017. Durante a inauguração da escultura ‘Rio Te Amo’ na Praça Mauá, ontem de manhã, Paes garantiu ter boa relação com o prefeito eleito e se colocou à disposição para ajudar a futura gestão.

De saída%3A Paes inaugurou ontem na Praça Mauá a escultura Rio Te AmoDivulgação

“Não vi nenhuma crítica dele (Crivella). Teremos um ano de crise em 2017 e acho que ele está correto em zelar pelas contas públicas. O Brasil está em uma crise profunda, não vai ser um período fácil. Em uma situação normal, se o país estivesse bem,até faria uma oposição, mas eu torço pelo Rio. Ontem, durante o almoço (com Crivella), dei algumas dicas e apontei algumas gorduras que podem ser cortadas. Quero ajudar o prefeito Crivella a governar bem a cidade”, completou.

Em um discurso conciliador, Paes afirmou que entregará a cidade com as contas em dia, descartando a possibilidade da escassez de recursos para o pagamento dos servidores.

 escultura instalada no local onde funcionou o Boulervad Olímpico durante os Jogos Rio 2016 tem as cores azul e branco, além dos dizeres ‘Rio Te Amo’. A estrutura substituiu hashtag ‘Cidade Olímpica’, que ficava em frente ao Museu do Amanhã.

Segundo Paes, o antigo equipamento público vai ser levado para o Parque Olímpico, na Zona Oeste: “A hashtag Cidade Olímpica fez parte de um período importante para a história da cidade, mas precisávamos de um ícone que pudesse louvar esse amor que as pessoas sentem pelo Rio de Janeiro”, explicou.

Com 16 metros de comprimento e dois de altura, o letreiro contará com iluminação especial à noite.

5 minutos com Eduardo Paes:

A três dias de passar o cargo ao prefeito eleito, Marcello Crivella, Eduardo Paes afirmou ontem que quer descansar após o término do mandato e, se possível, “fazer um sambinha”. Em entrevista na Praça Mauá, Paes afirmou que, se fosse iniciar nova gestão em 2017 também cortaria gastos.

Se estivesse assumindo a prefeitura hoje, o que o senhor faria?
Faria exatamente o que fiz quando assumi em 2013. Parecia que era oposição a mim mesmo. Saí cortando um monte de gastos e contingenciando recursos(...). Tem que ter tranquilidade e observar o cenário econômico e é isso que eu espero do próximo prefeito.

Pretende colaborar com o governo do estado?
Não. A minha obrigação agora é colaborar com o prefeito eleito, mas o Pezão sabe que também estou à disposição caso precise conversar.

O que o senhor fará após deixar a prefeitura?
Vou tirar férias e viajar. Adiei os meus planos de dar aula na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. Quero olhar com mais carinho para a minha família, dar mais atenção aos meus filhos, curtir mais a vida, ler, escrever, tomar uns gorozinhos de vez em quando e fazer um sambinha, se possível.

O senhor é pré-candidato ao governo em 2018?
Já admiti algumas vezes que sou pré-candidato, mas não quero fazer planos políticos agora.

*Reportagem de Jonathan Ferreira

Últimas de Rio De Janeiro