Por bianca.lobianco

Rio - ‘Foi o maior desespero da minha vida”, relatou o marido de Y., de 26 anos, empresária que acusa um motorista da Uber de sequestrá-la junto com a filha, uma bebê de seis meses. Ela embarcou em Icaraí, Niterói, na tarde de quarta-feira em um Fiat Sedan branco com destino a Piratininga, na Região Oceânica do município, mas o condutor logo cancelou a corrida e, armado com uma pistola, levou a vítima para Petrópolis, na Região Serrana.

Y. conta que o sequestro foi anunciado três minutos depois que entrou no carro. O motorista tomou o celular das suas mãos e exigiu todo o dinheiro que estava com ela — R$ 12 mil, que havia acabado de sacar de uma agência bancária para efetuar um pagamento. A Polícia Civil investiga o caso, registrado na 105ª DP (Petrópolis) e transferido para a 77ª DP (Icaraí).

Com o bebê de apenas seis meses%2C Y. foi obrigada a circular no Uber%2C sob ameaça de arma%2C por três horasAcervo Pessoal

Em seu depoimento, a vítima conta que, em um primeiro momento, solicitou o serviço da Uber, mas ao ver que a viagem seria para Piratininga, o motorista pediu que a corrida fosse cancelada, pois seu carro não estava em boas condições para longas viagens. Y., imediatamente, cancelou e solicitou outro carro. Foi quando deu início a um dos dias mais longos de sua vida.

Depois de mais de três horas circulando pelo Rio, sob ameaças e com uma arma apontada para ela e para a filha, elas foram liberadas em uma igreja em Petrópolis. Y. e a filha não foram feridas.

“Ele perguntou para onde eu ia, e disse que era Piratininga, como mostrava no aplicativo. Na mesma hora ele sacou a arma e apontou pra mim e falou ‘a partir de agora você vai pra onde eu quiser’”, contou Y. “Foi horrível! Só o que eu pensava era que ele não me levasse para um cativeiro. Fiquei com muito medo de ele fazer alguma coisa com a minha filha.”

Durante o trajeto, disse, o motorista lhe pedia dinheiro. Ela dizia não ter mais que R$ 40 no banco, porém, ele não acreditava. Então, o condutor puxou a bolsa e encontrou os R$ 12 mil. “A partir daí ele começou a enviar mensagens para meus contatos, anunciando o sequestro e pedindo dinheiro para o resgate”.

Como a Uber envia e-mails de confirmação das corridas para o usuário com dados do motorista, trajeto e qualificação, a vítima, assim que teve acesso ao e-mail, reconheceu o motorista. Ao saber do ocorrido, o marido de Y. enviou e-mail à Uber, mas a empresa só retornou ao casal minutos após a reportagem procurar a empresa.

Sobre o caso, a assessoria informou que apenas que “em caso de investigações e processos judiciais, a Uber colabora com as autoridades nos termos da Lei”, mas não se posicionou sobre uma possível advertência ao motorista ou se entraria em contato com ele para esclarecimentos.

Em 23 de setembro do ano passado, uma mulher grávida, também de Icaraí, passou por situação semelhante ao solicitar um carro da Uber. O motorista errou o caminho duas vezes e, em tom ameaçador, levou a usuária para a Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, onde foi liberada sem perdas ou ferimentos.

Mais de 30 mil reclamações contra Uber

A empresária não é a primeira a ter problemas com a Uber. No site Reclame Aqui, somente em 2016, a empresa acumulou 30.239 reclamações. Usuários do aplicativo já passaram por situações complicadas como cobrança abusiva, assim que o app passou a ocultar o multiplicador dinâmico de tarifa, viagens que não foram encerradas no momento correto, falta de conhecimento sobre trajetos possíveis e até assédio por parte de motoristas.

A profissional de Recursos Humanos Fabiana Ferreira conta que chegou ao seu destino da corrida solicitada pelo aplicativo, mas para sua surpresa, ao pedir nova corrida duas horas depois, viu que a o pedido ainda estava em aberto.

“O motorista não encerrou a corrida, que era para ser rápida e tinha uma estimativa de R$ 15, e isso acabou me custando R$ 104! Ele rodou por mais 126 minutos. Além disso, quando entrei no carro, o motorista foi grosseiro ao insistir em uma conversa sobre casos íntimos e pessoais meus. Me deixou constrangida e com medo”, disse Fabiana.

Você pode gostar