Portal oferece recompensa de R$ 5 mil por suspeitos de matar sargento na Saúde

Crime ocorreu em outubro do ano passado. Na ocasião, policial estava dentro de uma loja com a filha e reagiu a um assalto

Por O Dia

Rio - O Portal dos Procurados divulgou um cartaz, na noite desta terça-feira, pedindo informações sobre Bruno Maia Queiroz Alves, de 25 anos, e José Maicon Nunes da Silva, de 35 anos. Eles são suspeitos de matar o sargento Renato Liberato Neto, de 44 anos, em outubro do ano passado, na Saúde, Zona Portuária do Rio. Além disso, o órgão oferece uma recompensa de R$ 5 mil a quem ajudar a encontrá-los.

Na ocasião, Renato reagiu a um assalto dentro de uma filial das Lojas Americanas, na Rua Sacadura Cabral. Ele estava no estabelecimento com a filha. Lotado na Corregedoria da Polícia Militar, o sargento tentou sacar a arma, mas acabou sendo rendido pelos assaltantes e baleado. O policial chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Central da PM, mas não resistiu. A menina foi ferida por estilhaços na perna.

Portal divulgou cartaz pedindo informações sobre suspeitos de matar sargentoDivulgação

Outros dois suspeitos já estão presos. Edvandro Luiz Galvão Muniz, conhecido como "Lorão", de 24 anos, foi detido no dia 29 de dezembro, no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio, após fugir do Morro da Conceição. Com ele, os policiais apreenderam uma das motos utilizadas no dia do assassinato. Já Claudio Barbosa de Lima, de 29 anos, foi preso logo em seguida do crime.

De acordo com informações da polícia, Edvandro foi quem atirou contra a vítima. Depois, ele e José Maicon teriam roubado a arma e o celular do policial. Enquanto isso, Claudio e Bruno davam cobertura no lado externo da loja.

Quem tiver qualquer informação a respeito da localização dos suspeitos de matar o PM, pode denunciar pelo: WhatsApp ou Telegram dos Procurados (21) 96802-1650; pelo Facebook (www. facebook.com/procurados.org), pela mesa de atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, ou pelo aplicativo. O anonimato é garantido. 

Todas as informações recebidas estarão sendo encaminhadas para Delegacia de Homicídios da Capital (DH), que está encarregada do inquérito policial.?

Últimas de Rio De Janeiro