Por gabriela.mattos

Rio - Apenas 42% da frota de 8.640 ônibus municipais do Rio têm ar-condicionado. A estimativa foi informada ontem, pela primeira vez, pela Secretaria Municipal de Transportes. Na gestão do prefeito anterior, esse percentual era omitido. Em meio à polêmica sobre o não cumprimento da promessa de Eduardo Paes de terminar o mandato com 100% dos coletivos refrigerados, o órgão informou, no fim do ano passado, que cerca de 70% das ‘viagens’ (e não dos veículos) eram climatizadas.

O atual secretário municipal de Transportes, Fernando Mac Dowell, reafirmou ontem que a tarifa de ônibus só será reajustada após a colocação de ar-condicionado em 100% da frota e a conclusão de estudos sobre os custos das empresas. Mac Dowell disse que recebeu na quarta-feira estudos de representantes da Rio ônibus, sindicato das empresas do setor. “Eu tenho de defender as pessoas. Tenho de verificar os números para ver se há justificativa para conceder o aumento”.

Para secretário%2C aumento só quando frota estiver 100% refrigeradaArquivo O Dia

Ele afirmou ainda que a última gestão suspendeu, subitamente e por razão desconhecida, auditoria externa que deveria ter sido concluída em 2016. O estudo apontaria se o sistema está em equilíbrio ou desequilíbrio e daria norte para futuras decisões sobre tarifas. O secretário disse que ele mesmo, com sua equipe, vai realizar a nova avaliação, sem pagar uma consultoria.

A Rio Ônibus publicou nota nos jornais ontem na qual lembra que a colocação do ar-condicionado não está prevista nos contratos de concessão. A instituição explica que a meta de universalização da climatização da frota até 2016 foi firmada pela prefeitura e o Ministério Público, sem a geração de obrigação para as empresas de ônibus. O setor argumenta que o reajuste é necessário para recompor custos como mão de obra, combustível e investimentos.

Você pode gostar