Por gabriela.mattos

Rio - O sócio-proprietário da cervejaria Cidade Imperial, Cleber da Silva Faria, e outras seis pessoas foram presas na quarta-feira por crime ambiental em Petrópolis, na Região Serrana. Policiais da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) constataram que caminhões da empresa despejavam material de obra da cervejaria em áreas de proteção ambiental. A equipe da DPMA seguiu os criminosos em viaturas descaracterizadas. Segundo os agentes, duas áreas “imensas” de floresta foram devastadas e um rio chegou a ser soterrado.

Autuados pelos crimes de destruir ou danificar floresta de preservação permanente e de construir ou fazer funcionar estabelecimento ou obras potencialmente poluidores, os sete foram encaminhados à delegacia, onde pagaram fiança e foram liberados. Além de Cleber da Silva Faria, os presos eram o responsável pela obra, três motoristas de caminhão, o operador da retroescavadeira e o dono do terreno devastado, Vander Cunha.

Cervejaria%2C com sede em Petrópolis%2C é acusada de destruir florestaDivulgação

Com sede em Petrópolis, a Cidade Imperial está entre as empresas que receberam isenção fiscal dos governos Cabral e Pezão nos últimos anos. No dia 13 de maio de 2016 foi publicado no Diário Oficial, com efeito retroativo, a adesão ao ‘Tratamento Tributário Diferenciado’ estabelecido em um decreto de 2008 assinado pelo então governador Sérgio Cabral. Procurada, a Cidade Imperial não se posicionou até o fechamento da reportagem.

Cleber Faria é sobrinho do milionário Walter Faria, dono do Grupo Petrópolis — do qual Cleber já foi acionista —, que produz a Cerveja Itaipava. O tio foi citado na Operação Zelotes, que apura esquema de corrupção no Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf).

?Reportagem do estagiário Caio Sartori

Você pode gostar