Sindicato de motoristas comemora decisão da prefeitura de rever linhas extintas

Para o Sintraturb, medida é capaz de melhorar a qualidade de atendimento aos passageiros de ônibus e de reduzir o nível de desemprego da categoria

Por O Dia

A posição da prefeitura em manter suspensa a racionalização de 51
linhas de ônibus e a possibilidade de devolvê-las à população, como publicou O DIA neste domingo, foi recebida com bons olhos pela direção do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio de Janeiro (Sintraturb Rio). De acordo com Sebastião José, presidente da entidade, a decisão aponta para o resgate de uma melhor qualidade de atendimento aos cariocas, bem como uma redução no nível de desemprego da categoria.

"Sabemos da dificuldade hoje enfrentada, mas não podemos ficar de braços cruzados vendo milhares de profissionais sendo colocados na rua. Inclusive estamos marcando uma audiência com o prefeito para discutirmos a questão da volta das demais linhas que foram extintas com carros com ar-condicionado e cobrador. Nossa finalidade é a de dar um fim à exigência imposta hoje com a dupla função, onde o motorista também é cobrador", ressaltou.

Para Sebastião, a dupla função é um "sistema escravo e que coloca em risco a segurança dos passageiros, além de aumentar o tempo de viagem, já que ele é obrigado a dirigir e cobrar ao mesmo tempo".

Em entrevista ao DIA, o vice-prefeito e secretário de Transportes, Fernando Mac Dowell, classificou o processo de racionalização das linhas, promovido pela gestão do ex-prefeito Eduardo Paes, como "a maior estupidez"  que ele já viu. "...Eu sou da época que o Rio se orgulhava de ter a maior frota e o maior sistema de transporte coletivo. Você saía aqui e queria ir lá para não sei aonde, você ia. Agora, tem linha com menos 300 ônibus. Aí pergunto. Viu em alguma delas a tarifa baixar? Não. Por mim, faria algo (nas linhas) com tendência a voltar a ser o que era", afirmou Mac Dowell.

Últimas de Rio De Janeiro