Suspeito de sequestrar criança de 11 anos em Irajá é preso

Homem confessou que sequestrou a criança. Polícia Civil fará perícia na casa do suspeito, em Acari, na tarde desta terça-feira

Por O Dia

Thifany despareceu por volta das 12h deste domingo Reprodução Internet

Rio - A Polícia Civil informou que o suspeito de sequestrar uma menina de 11 anos, em Irajá, na Zona Norte do Rio, confessou o crime nesta terça-feira. Thifany Nascimento de Almeida, de 11 anos, foi vista pela última vez no domingo, enquanto brincava com uma outra criança, de 8 anos, em uma praça da comunidade do Amarelinho. Reconhecido por moradores de Acari, Sandro Borges de Mattos, de 46 anos, foi preso na noite desta segunda-feira. 

Antes de ser detido, o suspeito chegou a ser agredido na rua. Depois, policiais do 41º BPM (Irajá) socorreram o homem, o levaram até o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, e depois o encaminharam até a Cidade da Polícia.

Em depoimento, Sandro admitiu que deixou a menina subir na garupa da moto, mas ressaltou que a deixou na entrada da favela minutos depois. Os agentes da Delegacia de Descobertas de Paradeiro (DDPA) vão fazem uma perícia na casa dele nesta terça-feira.

Irmão da menina, Vítor Almeida, de 18 anos, contou à polícia que o homem chegou a dizer que tinha pegado a criança e a "deixado mais à frente". No entanto, segundo o estoquista, uma testemunha viu Thifany com o suspeito depois de três horas do ocorrido.

O caso

No último domingo, o pai da criança, Jorge Almeida, que trabalha em um quiosque na região, deixou a filha em uma praça para brincar com a amiga. Quando retornou, ele não encontrou mais a menina. A manicure Claudinéia da Silva Vasconcelos, de 41 anos, lembrou ainda que a outra criança só não foi também com o homem porque ele não teria deixado.

"A amiga que estava brincando com ela disse que um homem chegou em uma moto e disse que iria dar um cachorrinho para Thifany. Ele pediu para a menina ir com ele e disse ainda que ela faria uma surpresa para o pai", explicou a manicure, que considera Thifany como sua sobrinha.

Nas redes sociais, parentes e amigos fazem uma mobilização em busca de informações sobre o paradeiro da menina.

Menina não brincava na rua

Filha mais nova de sete irmãos, Thifany não tinha costume de brincar sozinha na rua, de acordo com os parentes. "Ela só saia na rua aos fins de semana. A Thifany é muito educada e estudiosa. Não sabemos o motivo dele ter feito isso", contou o irmão.

Suspeito foi amarrado em um poste e agredido por moradores do bairro Reprodução

Claudinéia conta que os pais da garota estão inconsoláveis. "Eles estão desesperados. Não dormiram à noite. A mãe dela só chora e quer que a filha volte bem para casa", reforçou.

No começo da tarde desta segunda-feira, um áudio que circulava em uma rede social dizia que a criança teria sido vista em uma localidade conhecida como Linha Verde, em Acari, também na Zona Norte. No entanto, Thifany ainda não foi encontrada.

A Polícia Civil afirmou que a Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA) instaurou um inquérito para apurar o desaparecimento da menina. Ainda de acordo com o órgão, quem tiver informações sobre Thifany pode fazer contato com o Disque-Denúncia (21 2253-1177) ou a DDPA (21 2202-0338 e 21 2582-7129).

Reportagem do estagiário Rafael Nascimento 

Últimas de Rio De Janeiro