Corpo de Teori e de outras duas vítimas são resgatados e levados ao IML

Dois corpos - do piloto e de outra mulher que estava no avião - ainda estão presos às ferragens da aeronave, que está no mar, a cerca de 1,5 km de Paraty

Por O Dia

Rio - O Corpo de Bombeiros do Estado do Rio confirmou que os corpos de três das cinco pessoas mortas na queda de um avião em Paraty nesta quinta feira, já estão no Instituto Médico - Legal (IML) de Angra dos Reis, no litoral sul fluminense.

Três corpos foram resgatados do mar durante a madrugadaDivulgação / Jornal O Farol

São os corpos do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, do empresário Carlos Alberto Filgueiras e de uma mulher ainda não identificada. Esses corpos foram resgatados do mar durante a madrugada e chegaram ao IML pouco depois das 3h desta sexta-feira.

Dois corpos - do piloto e de outra mulher que estava no avião - ainda estão presos nas ferragens da aeronave, que está no mar, a cerca de 1,5 km de Paraty. Desde as 5h30, três mergulhadores das forças de segurança trabalham para resgatar esses corpos.

Filho de Teori descarta sabotagem em acidente aéreo

?O filho de Teori Zavascki disse que não cogita, até o momento, que uma sabotagem tenha sido a causa do acidente aéreo que matou o ministro do Supremo Tribunal Federal, na tarde desta quinta-feira. No ano passado, Francisco Zavascki chegou a publicar um texto nas redes sociais afirmando temer que algo acontecesse ao pai, que era relator da Operação Lava Jato no STF.

Em conversa com a Agência Brasil, o advogado disse acreditar que o acidente foi uma fatalidade. “Eu realmente temia, mas agora isso não está passando pela cabeça de ninguém. Acho que fatalidades acontecem. Paraty, chuva. O avião arremeteu, e é isso aí. Deu zebra”, afirmou.

Francisco ainda contou que ficou sabendo da tragédia por meio do grupo da família no aplicativo de mensagens WhatsApp. “O meu cunhado perguntou se o pai estava em Paraty, porque havia caído um avião. Ficamos assustados e começamos a correr atrás da informação, até que confirmamos que o pai estava no vôo. Esperamos por um milagre mas ele não aconteceu”, relatou o advogado.

O filho do ministro disse que não está em condições psicológicas de acompanhar a comoção nacional causada pela tragédia, mas ressaltou que o Brasil perdeu um grande juiz. “Uma pessoa que não tem medo, uma pessoa que tem postura de juiz. Infelizmente, abre-se um hiato muito perigoso agora”, completou, referindo-se aos processos da Operação Lava Jato que estavam sob responsabilidade do pai.

Teori ZavasckiDivulgação / STF

Segundo Francisco Zavascki, o desejo da família é que o corpo do ministro seja transportado o mais cedo possível a Porto Alegre, para que velório e enterro sejam realizados na capital gaúcha.

Nas redes sociais, surgem teorias conspiratórias

Um dos mais antigos integrantes da força-tarefa da Polícia Federal na Lava Jato em Curitiba, o delegado Márcio Anselmo chegou ontem a publicar uma mensagem nas redes sociais na qual levantou suspeitas sobre o acidente que matou o ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki. “Agora, na véspera da homologação da colaboração premiada da Odebrecht, esse ‘acidente’ deve ser investigado a fundo. Sinceramente, se essa notícia se confirmar, é o prenúncio do fim de uma era!”

O texto sobre o acidente foi apagado pouco tempo depois, mas alimentou uma corrente de teorias conspiratórias nas redes sociais sobre o episódio. Internautas também resgataram um post de maio do ano passado publicado no Facebook por Francisco Zavascki, filho de Teori, no qual ele fez um “alerta”. “É óbvio que há movimentos dos mais variados tipos para frear a Lava Jato. Penso que é até infantil imaginar que não há, isto é, que criminosos do pior tipo (conforme Ministério Público Federal afirma) resolveram se submeter à lei. Porém, alerto: se algo acontecer com alguém da minha família, vocês já sabem onde procurar. Fica o recado.”

A advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, também entrou no debate. “Tem de investigar a queda do avião, sim! Queremos investigação transparente, feita por equipe formada por membros de vários órgãos”, tuitou.

O ministro estava de férias desde o início do recesso do Judiciário, em dezembro, mas voltaria a trabalhar esta semana. 

* Com informações da Agência Brasil e Estadão Conteúdo

Últimas de Rio De Janeiro