Por clarissa.sardenberg

Rio- Pezão pretende acelerar a cobrança de dívidas judicializadas para fazer entrar algum dinheiro no esvaziado cofre do governo estadual. Este foi o tema de conversa que Pezão, o procurador-geral do estado, Leonardo Espíndola, e o futuro presidente do Tribunal de Justiça do Rio, o desembargador Milton Fernandes, tiveram no Palácio Guanabara. Segundo a PGE, a modernização de cartórios onde estão registradas as dívidas agilizará o processo.

O total de dívidas que o estado tem a receber, a maioria relacionada a ICMS, gira em torno de R$ 66 bilhões, mas o governo acredita que boa parte dessa grana nunca será vista. É a chamada “dívida podre”, de empresas falidas como a Varig.

Eleição definida
O atual presidente da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani (PMDB), será reeleito no início de fevereiro para permanecer à frente da Alerj. A articulação já está consolidada. Picciani é visto na Casa como um deputado de bom trânsito tanto na ala governista quanto na de oposição.

Vai dar namoro?
Prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PV) se encontrou com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, na quinta. Neves é sondado para disputar o governo estadual pelo partido e também é cobiçado pelo PRB.

Precariedade
O Comitê Rio 2016 doou cinco estabilizadores de energia elétrica para a Uerj. Mas, veja só, a universidade não tinha como transportar as geringonças de Duque de Caxias até o campus do Maracanã. O deputado Comte Bittencourt (PPS), então, conseguiu fazer com que a Alerj doasse R$ 50 mil para garantir o transporte das máquinas.

Utilidade
Os cinco estabilizadores estão avaliados em R$ 2,5 milhões e vão operar no departamento de Física e na ala hospitalar da Uerj.

'Cabide de emprego'
O deputado estadual Iranildo Campos (PSD) colhe assinaturas para levar ao plenário projeto de lei que pretende acabar com as agências reguladoras do estado, como Agetransp e Agenersa. Diz que são “cabides de emprego” e cita conselheiros que foram denunciados na Lava Jato.

Você pode gostar