Por gabriela.mattos

Rio - O ex-presidente Lula escreverá um livro sobre sua mulher, Marisa Letícia Lula da Silva, que morreu ontem após sofrer um AVC. A ideia surgiu no Hospital Sírio-Libanês, onde Dona Marisa estava internada desde o dia 24. Pessoas próximas disseram a Lula que a história do casal daria um livro. Ao que o ex-presidente respondeu: “A história dela daria um livro”. Incentivado por amigos, Lula disse que levará o projeto adiante. Quando se conheceram, em 1973, tanto Lula quanto Dona Marisa, que à época tinha 23 anos, já eram viúvos.

Lula se mostrou “encantado” com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso — foi um dos primeiros adversários a procurá-lo pessoalmente para prestar solidariedade.

Gentileza gera...

A deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) lembra que quando dona Ruth Cardoso, mulher de FHC, morreu, em 2008, o então presidente Lula compareceu ao velório. E levou consigo para prestar condolências funcionários do Palácio Alvorada que cultivaram amizade com FHC durante os oito anos de mandato do tucano.

Escolha

Dona Marisa será cremada, como desejava.

Mudança

O secretário estadual de Assistência Social, Pedro Fernandes (PMDB), trocará de pasta. Está de mudança para a de Ciência e Tecnologia. Em seu lugar, assumirá o subsecretário João Mattos.

Conversa

Pezão e Fernandes concluíram que as pastas não deveriam ser fundidas, como estava previsto, por conta da relevância de cada uma. O secretário afirma que o corte de contratos e cargos comissionados vai ser tão grande que a economia será maior do que se houvesse fusão.

Votações

O Informe apurou que a manutenção das pastas agradou a deputados de diferentes partidos na Assembleia Legislativa. Semana que vem, começam as votações do pacote de austeridade na Alerj.

O mundo dá voltas

Um amigo da coluna lembra que a discussão sobre a privatização da Cedae, em 1998, originou a primeira cassação da história da Alerj. Aluizio de Castro (PPB) foi pego em gravação oferecendo dinheiro a três deputados para que votassem a favor da medida. O plano para flagrar o corruptor foi arquitetado por... Sérgio Cabral, então presidente da Casa.

O prefeito e os flashes

Crivella não é Papa, mas é pop. Terminou ontem de percorrer todas as salas do Piranhão, principal prédio da prefeitura. Na peregrinação, atendeu a pedidos para mais de 500 selfies.

Você pode gostar