Medo de assaltos ronda Grande Tijuca

Morte de motorista de Uber entra para a conta de crimes na região. Em três meses, roubos cresceram 61%

Por O Dia

Rio - Mais um assalto seguido de morte — o do motorista da Uber Carlos Henrique Gonçalves Filho, de 25 anos, a segunda vítima morta no mesmo fim de semana — acendeu o alerta para a crescente violência na região da Grande Tijuca. Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) apontam que, nos últimos três meses de 2016, a 18ª (Praça da Bandeira) e 19ª (Tijuca) registraram 1.117 roubos, um aumento de 61% em relação ao mesmo período de 2015, quando 690 casos foram identificados. Somados roubos e furtos, 25 pessoas tiveram, diariamente, pertences levados por assaltantes de outubro a dezembro do ano passado.

Mudança de rota%3A moradora desvia o trajeto ao avistar menores que passam de bicicleta e atacam os pedestres. ‘São sempre os mesmos’%2C dizMárcio Mercante / Agência O Dia

Os números são tão evidentes no cotidiano dos tijucanos que os moradores das ruas Maxwell e Almirante João Cândido Brasil espalharam cartazes de alerta nos postes: ‘Socorro! Precisamos de ajuda. Meninos de bicicleta atacam e roubam’. “Quando vejo alguém de bicicleta aqui, já fico gelada. Os meninos que assaltam já são conhecidos”, conta a publicitária Sandra dos Santos, de 41 anos, que frequentemente muda sua rota para evitar os criminosos.

Dono de uma oficina no mesmo trecho da Rua Maxwell, Jocivaldo Bernardo, 47, tem que fechar o estabelecimento mais cedo para fugir da violência. “Não passo das 17h30 aqui. Já tive que colocar dois para correr com uma barra de ferro”, disse.

Na Rua Engenheiro Gama Lobo, a situação é parecida: de sua casa, a estudante Luísa Gomes, 22, ouviu os tiros que mataram Victor Robusti, de 28 anos, após um assalto na madrugada do sábado. “Todos na minha casa estão preocupados, tensos...”, contou. Segundo ela, a morte foi apenas o pico de uma crescente onda de violência na rua. “Acontecem muitos assaltos aqui. Não tem iluminação, comércio, movimento nem policiamento”, lamentou.

Socorro%3A moradores das ruas Maxwell e Almirante João Cândido Brasil espalharam cartazes de alerta nos postesMárcio Mercante / Agência O Dia

A produtora Rebeca França, 32, resolveu voltar para a casa dos pais para fugir da violência tijucana. Ela e o marido, Romenique, se mudaram para o Jardim Botânico em março depois que ele foi assaltado duas vezes na mesma semana: “Estamos reféns. Não corremos mais no Maracanã por medo.”

A Guarda Municipal informou que 301 agentes patrulham diariamente a Tijuca. Já a Polícia Militar comunicou que realiza operações sistemáticas na região com viaturas, motos e a pé.

Morador pede Tijuca Presente

Depois de perder dois celulares em dois meses para assaltantes, o servidor público Fabiano Rodrigues, de 40 anos, passou a usar uma estratégia consagrada: levar sempre consigo um celular ‘bom’, para uso pessoal, e um ‘ruim’, para uso dos bandidos. “Já saio de casa com aquela sensação: será que hoje vai acontecer comigo?” Para ele, a solução seria um ‘Tijuca Presente’, a exemplo dos programas Segurança Presente implementados em parceria entre governo do estado e Fecomércio no Méier, Centro e Aterro, além do da Lapa.

Para o diretor regional da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança, a solução seria apenas paliativa. É necessário, segundo ele, dividir o efetivo entre as manchas criminais, equipar melhor os agentes e até treinar os cidadãos com técnicas de proteção. O presidente da Associação de Comércio e Indústria da Tijuca, Jaime Miranda, cobra mais policiamento, principalmente na Praça Saens Peña: “São 160 mil pessoas circulando, a segurança não é adequada. As vendas diminuem, o pedestre não quer mais ir à praça”.

O coronel da PM Paulo César Lopes opina que as viaturas com ar-condicionado e a falta de repressão ao uso de celular em serviço geraram uma ‘zona de conforto’ entre os agentes. “Os criminosos atuam no espaço de ausência do policiamento ostensivo”, disse.

Vítima ainda não conseguiu dar telefone do pai antes de morrer

Carlos estava na última corridaReprodução

Baleado, já ofegante, Carlos Henrique Gonçalves Filho, de 25 anos, conseguiu dar o número de telefone do seu pai, de quem herdou o nome, aos funcionários do setor de emergência do Hospital Israelita. Ele chegou ao local após andar 500 metros, depois de ser atingido no peito pelo disparo de um tiro feito por um assaltante, na Rua Ibiturana, na Tijuca, na noite de domingo.

Seu pai, de 59 anos, demorou 20 minutos para chegar à unidade de saúde. Não teve tempo de se despedir do seu único filho homem. A morte do motorista de Uber foi constatada às 21h35, por hemorragia interna. “Foi uma covardia o que fizeram. Ele não reagiu. Saiu do carro, com as mãos para o alto”, disse, com voz embargada, Carlos Henrique Gonçalves.

Trabalhando há apenas 8 meses como motorista de Uber, Carlos Henrique fazia uma das suas últimas corridas, após uma jornada de 12 horas. Ele buscava um casal em casa, quando teve seu carro fechado por três assaltantes, que estavam em um carro preto.

O depoimento de uma das testemunhas, ao qual O DIA teve acesso, confirma que não houve reação do motorista. “Eram três homens brancos, o armado usava boné. Quando o motorista saiu do carro, levantou as mãos. Ele era alto e o assaltante se assustou, atirou. O motorista ficou em pé. Os bandidos fugiram sem levar o carro”, diz relato no registro de ocorrência da delegacia da Praça da Bandeira, onde o caso teve seu primeiro registro. Com a morte confirmada, o inquérito passou para a Delegacia de Homicídios.

Henrique Gonçalves,primo da vítima, contou que Carlos tinha 2,05 metros de altura, “ mas era um garoto”. Como meta, queria pagar o financiamento do carro, um Ônix Prata. “Ele era motorista de ônibus, mas o salário não era muito bom. Com a morte da mãe, há 1 ano, ele quis ter o próprio tempo para cuidar da irmã mais nova. A família toda está arrasada”, afirmou. O enterro de Carlos será hoje, às 15h, no Cemitério de Irajá. 

Reportagens de Bruna Fantti e da estagiária Alessandra Monnerat

Últimas de Rio De Janeiro