Mais Lidas

Aplicativos garantem até gelada pelo menor preço

Tem app para 'super-herói' que entrega em casa e o que ajuda a 'dividir a conta'

Por gabriela.mattos

Rio - O estudante de História Raphael Almeida, de 23 anos, já tem uma estratégia de sobrevivência: sempre que vai a um lugar que não conhece bem, saca o celular para acessar o Litrão Go, aplicativo que mapeia os bares mais próximos e o preço da cerveja em cada um. A receita é a mesma do Pokémon Go, jogo que virou febre no ano passado, mas a missão é se tornar ‘Mestre do Litrão’ e beber mais por menos. “Eu já economizei bastante, você vê o preço e escolhe para onde ir”, conta Raphael.

O app, disponível para Android desde agosto do ano passado, já tem quase 150 mil usuários em todo o Brasil, que cadastram bares com informações de preço, endereço e horário. Os amigos Caio Chagas, 23, e Bruno Rodrigues, 25, criaram a ferramenta a partir da experiência própria na faculdade. A ideia é que, até o Carnaval, a plataforma forneça também a lista de blocos em São Paulo para que os foliões encontrem com facilidade os bares nas redondezas. “É utilidade pública. Tanto que não ganhamos dinheiro nenhum com o app”, diz Caio.

O estudante Raphael Almeida%2C 23%2C usa o app Litrão Go para descobrir quais bares são os mais baratosMárcio Mercante / Agência O Dia

É claro que quem bebe também tem que pagar a conta e é para ajudar na hora da divisão que o estudante de Engenharia Miguel de Sousa, 22, criou o Eu Etílico. Ele passou um ano desenvolvendo a plataforma nas horas vagas para salvar aqueles que ficam com a conta no final. “É o aplicativo mais carioca que tem, isso acontece muito aqui”, observa ele.

O usuário relaciona cada pessoa ao produto que ela consumiu e o app devolve a quantidade que deve ser paga para cada um. A tecnologia é uma mão na roda para o estudante de Administração Platini de Oliveira, 22. “Todo mundo embriagado, dinheiro, matemática... A receita é ótima pra dar tudo errado”, brinca.

Para quem não quer ir ao bar, mas não dispensa uma gelada, Luís Eduardo Pacheco, 30, criou o A Essa Hora!, app de delivery de bebidas. A ideia inicial era impedir que as festas acabem — por isso, os entregadores se vestem como super-heróis. “Já teve até um que ganhou prêmio em festa a fantasia. Nosso objetivo é salvar as festas”, declara Luís.

A conveniência serve também para quem quer apenas relaxar depois do trabalho, como o analista de sistemas Cléber Guioti, 49. “Sempre peço para ver futebol tomando uma cervejinha”, conta.

Reportagem da estagiária Alessandra Monnerat

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia