Informe: Briga por cargos no governo esquenta

Deputados que votaram a favor da privatização da Cedae ameaçam mudar de lado caso não arrematem cargos no governo

Por O Dia

Rio - Aprovada pela Assembleia Legislativa, a venda da Cedae foi uma importante vitória para o governo estadual, mas não é garantia de sucesso nas futuras votações envolvendo o pacote de austeridade de Pezão. Deputados que votaram com o Palácio Guanabara pela privatização ameaçam mudar de lado caso não arrematem cargos no governo, hoje ocupados por afilhados de parlamentares que votaram contra a privatização.

Afirmam que Cidinha Campos (PDT), Luiz Martins (PDT) e Lucinha (PSDB), que votaram contra o governo, são responsáveis por dezenas de indicações. A lógica é simples: ‘Se eles votaram contra, e eu a favor, que os cargos migrem para mim. Do contrário, passo a votar contra’. 

Moeda de troca
Os descontentes lembram que, em breve, a Alerj votará o aumento da contribuição previdenciária dos servidores. O tema é extremamente impopular, e a eleição, já no ano que vem. Costear o alambrado, dizem, não é apenas um blefe.

Guloso
André Corrêa (DEM) é outro que está na mira. Ele deixou a Secretaria de Meio Ambiente para retornar à Alerj durante as votações, mas não abriu mão de cargos no Inea. A gula irritou Samuel Malafaia (DEM) que, no último minuto, decidiu votar contra o governo na privatização da Cedae.

Sermão
Ainda mais irritado que Malafaia, o deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM) enviou um e-mail de desabafo a Pezão. “Governador, infelizmente o que você combina não vale mais. Tem gente que manda mais do que o senhor”, escreveu.

‘Borboleteamento’
Hoje secretário municipal de Transportes, Fernando Mac Dowell foi demitido pelo ex-governador Moreira Franco quando era diretor do Departamento de Estradas e Rodagens (DER). Motivo? Queria “aparecer demais”. Gostava de voar no helicóptero do DER para estudar o trânsito de cima. Um dia, sobrevoou o Leblon a uma altura tão baixa que chegou a assustar motoristas.

Segue
Naquele dia, Moreira pediu a exoneração de Mac Dowell. Disse que não aguentava mais os seus “borboleteamentos”. Agora, na nova função, Mac Dowell teve a infeliz ideia de sugerir a criação de um pedágio na Linha Vermelha — logo rechaçada pelo prefeito. Resta saber se a paciência de Marcelo Crivella é maior que a de Moreira. A conferir.

Arrepia!
Na madrugada de amanhã tem Salgueiro na Avenida.

Últimas de Rio De Janeiro