Polícia faz reprodução simulada de acidente com carro da Paraíso do Tuiuti

Abre-alas perdeu o controle e atropelou 20 pessoas perto do setor 1 na noite do último domingo

Por O Dia

Motorista do carro alegórico (de blusa rosa) também participou da reprodução simuladaJonathan Ferreira/Agência O Dia

Rio - A Polícia Civil faz uma reprodução simulada do acidente com o carro alegórico da Paraíso do Tuiuti, na manhã desta quarta-feira, na Sapucaí. No último domingo, o abre-alas da escola perdeu o controle e atropelou 20 pessoas perto do setor 1. A perícia ajudará nos esclarecimentos das causas do acidente. O motorista do veículo, Francisco de Assis Lopes, de 53 anos, também acompanha o trabalho.

Além da reprodução simulada, o carro já passou por outras duas perícias: uma logo após o desfile e outra no dia seguinte. Inicialmente, os agentes encontraram uma roda quebrada no carro. No entanto, o laudo final ainda não tem nada para ser divulgado.

'Eu não tive culpa', diz motorista de carro alegórico

Carro da Paraíso do Tuiuti bateu perto do setor 1 e 20 pessoas ficaram feridasReprodução TV Globo

O motorista Francisco de Assis Lopes, de 53 anos, se apresentou na 6ª DP (Cidade Nova) nesta segunda-feira para prestar depoimento. Ele chegou acompanhado da mulher e dos dois filhos. À imprensa, declarou apenas: "Eu só quero pedir desculpa às famílias dos machucados. Me perdoem mesmo. Eu não tive culpa. Só quero pedir desculpa às famílias."

Francisco tinha um curativo na testa, devido a ferimentos causados por uma agressão sofrida na noite de domingo na Sapucaí, segundo seus filhos. Lidiane Isis dos Santos Lopes e Liverton dos Santos Lopes Jr. disseram que integrantes da escola 'arrancaram' seu pai do carro logo depois que o acidente ocorreu e o espancaram. Segundo eles, Francisco fugiu por medo. "Ele saiu do local porque ficou com medo pela vida dele", disse Lidiane.

??Os dois adicionaram que a chamada 'roda maluca' do carro, na pista molhada, também atrapalhou a condução. Mas, segundo os filhos, Francisco não perdeu a direção do carro. "Não teve guia para ele. Ele não perdeu o controle. Ele deu ré porque mandaram", disse Lidiane.

Últimas de Rio De Janeiro