Três réus vão a júri popular por morte do filho de Carlinhos de Jesus

Músico Carlos Eduardo Mendes de Jesus foi assassinado após sair de um bar em Realengo em setembro de 2011

Por O Dia

Filho de Carlinhos de Jesus foi morto a tiros em novembro de 2011Reprodução

Rio - Três acusados de matar o músico Carlos Eduardo Mendes de Jesus vão a júri popular, às 13h da próxima quarta-feira, no 1º Tribunal do Júri da Capital. Os réus Miguel Ângelo da Silva Medeiros, André Pedrosa dos Santos e Magno Carmo Pereira teriam assassinado o filho do coreógrafo Carlinhos de Jesus em setembro de 2011.

Naquela ocasião, o músico, de 32 anos, saía da Choperia Boteko Carioca, na Avenida Marechal Fontenelle, em Realengo, na Zona Oeste. O grupo Samba Firme, do qual era integrante, se apresentava todas as sextas-feiras neste estabelecimento. Nas proximidades do bar, ele foi atingido por disparos feitos por dois homens que estavam em uma motocicleta. 

Dudu, como era conhecido, foi atingido por oito tiros à queima roupa. Nenhum pertence foi levado. Ele foi levado ao Hospital Albert Schweitzer, também em Realengo, onde já chegou morto.

Em junho de 2015, a Justiça negou o habeas corpus pedido pela defesa dos réus, e acrescentou que uma das testemunhas chegou a receber ameaças, o que a forçou a solicitar proteção do Estado. "Sendo certo, também, que três dos réus são policiais militares, que detém conhecimentos na região em que ocorreu o crime, havendo, ainda, informações nos autos de que integram milícia na localidade, o que demonstra uma periculosidade e uma nocividade social preocupante, justificando a manutenção da prisão para a garantia da ordem pública e, principalmente, para a conveniência da instrução criminal, de forma a impedir que os réus exerçam algum tipo de retaliação sobre as testemunhas, influenciando os depoimentos a serem prestados em Plenário”.


Últimas de Rio De Janeiro