Postos voltam a registrar filas para vacinação contra febre amarela

Assim como nesta quinta-feira, pacientes chegaram duas horas antes da abertura da unidade da Tijuca

Por O Dia

Rio - Os postos de saúde registraram novamente longas filas para a vacinação contra a febre amarela. Na manhã desta sexta-feira, os pacientes voltaram a enfrentar um grande tempo de espera para conseguir se imunizar no Centro Municipal de Saúde Heitor Beltrão, na Tijuca, Zona Norte do Rio. Assim como no dia anterior, eles chegaram duas horas antes de abrir o posto.

Algumas pessoas precisaram retornar ao local, já que não conseguiram se vacinar nesta quinta-feira. Ao DIA, a população reclamou das filas e também das informações desencontradas. Segundor relatos, uns funcionários dizem que qualquer um pode receber a imunização e outros afirmam que por enquanto a campanha só é válida para quem vai viajar para locais de risco nos próximos 15 dias.

Pacientes já tinham enfrentado longas filas no posto de saúde da Tijuca nesta quinta-feiraMaíra Coelho / Agência O Dia

?Escolas estaduais serão pontos de vacinação contra febre amarela

Escolas do estado serão pontos de vacinação contra a febre amarela. Ao todo, são 1.250 unidades e não haverá interrupção das aulas. A parceria foi fechada entre o secretário de Estado de Educação, Wagner Victer, e o secretário de Estado de Saúde, Luiz Antônio de Souza Teixeira Júnior. Nas escolas vai ser priorizada a vacinação de alunos e pais.

A ordem de prioridade é a seguinte: Casimiro de Abreu, Silva Jardim, Macaé, Rio das Ostras, Trajano de Moraes, São Pedro da Aldeia, Armação de Búzios e Cabo Frio. 

O governo do estado do Rio estendeu a vacinação contra a febre amarela para toda a população. A vacinação também acontece em outros 30 municípios localizados nas divisas com Minas Gerais e Espírito Santo, onde há casos confirmados da doença.

Primeira morte confirmada 

?A primeira morte por febre amarela foi confirmada pela Secretaria de Estado de Saúde nesta quarta-feira. O caso seria do pedreiro Watila Santos, de 38 anos, que morreu após ser internado no Hospital Municipal Ângela Maria Simões, em Casimiro de Abreu, no último fim de semana. Ele chegou à unidade se queixando de dor de cabeça, taquicardia, falta de ar, febre e dor no corpo.

Watila sofreu duas paradas cardíacas. Ele era morador da localidade rural de Córrego da Luz, região serrana do município. O resultado do laudo da morte do pedreiro sairia nesta quarta-feira. No entanto, a secrataria não confirmou o nome da vítima. Além dele, há outro paciente com a doença em Casimiro de Abreu, que também mora em área rural.

Últimas de Rio De Janeiro