Caso suspeito de febre amarela é transferido

Hemorio dará 500 doses por dia para quem doar sangue. No sábado, postos do Rio vão funcionar das 8 às 17h. Em Casimiro e Magé, faltou vacina nesta segunda-feira

Por O Dia

Rio - A segunda vítima confirmada de febre amarela no estado teve alta no fim de semana. Alessandro Valença Couto, de 37 anos, estava internado no Hospital dos Servidores do Estado (HSE) e voltou para Casimiro de Abreu. Já Joaquim de Oliveira Santos, 45, foi transferido do hospital em Casimiro para o HSE. Ele é tio de Watila Santos, que morreu no dia 11 de março, em Casimiro.

Uma menina de 9 anos, enteada de Watila, permanece internada, sem previsão de alta, no Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo. Outras três crianças, enteadas do pedreiro, receberam alta no fim de semana. Estão sob investigação 35 suspeitas da doença e 21 foram descartadas.

Hemorio vacina quem doar sangue

A partir de hoje, quem doar sangue no Hemorio vai poder se vacinar contra a febre amarela. Serão 500 doses aplicadas por dia, apenas para quem doar sangue ou for considerado inapto após passar por triagem clínica.

Vacinação na área rural de Cabo Frio começou ontem%2C onde moradores pegaram senhas%3B hoje começa a imunização da população urbana Divulgação

A iniciativa é parte de uma estratégia para evitar que os estoques dos bancos de sangue diminuam após o início da vacinação em massa da população, previsto para começar no sábado, em 233 unidades de saúde do município.

“É de extrema importância que as pessoas doem sangue antes de ser vacinadas”, explica o diretor geral do Hemorio, Luiz Amorim. Segundo ele, quatro semanas após a imunização, o vírus atenuado da febre amarela, presente na vacina, ainda pode ser encontrado na corrente sanguínea e por isso a pessoa vacinada fica impedida de doar.

Ele alerta que não será possível apenas se vacinar no hemocentro: o candidato à doação tem que passar pela triagem para receber a vacina.  Em Campos dos Goytacazes, onde já existe vacinação em massa, a população está sendo convocada a doar sangue em praça pública. O estoque é baixo no Hemocentro Regional do Norte e Noroeste Fluminense, que funciona no Hospital Ferreira Machado (HFM), e as cirurgias eletivas estão suspensas.

Em Campos%2C onde há vacinação%2C hemocentro mobiliza doadores e cirurgias eletivas foram canceladas Divulgação / Antônio Cruz

Ontem, a Organização Mundial de Saúde (OMS) emitiu um alerta de vacinação de febre amarela para viajantes internacionais que vêm para o Estado do Rio, com exceção das áreas urbanas da capital e de Niterói.

A Prefeitura do Rio vai realizar uma campanha de vacinação no próximo sábado para ampliar o atendimento a quem procura a imunização contra a febre amarela. Neste dia, as unidades de saúde vão funcionar das 8h às 17h. O secretário municipal de Saúde, Carlos Eduardo de Mattos, voltou a garantir que não há motivo para pânico.

“Vamos aumentar a vacinação de 34 para 233 unidades básicas de saúde no sábado. Com isso, as filas nos postos devem diminuir. Até o final do ano, a prefeitura vai cumprir o seu dever de vacinar toda a população contra a febre amarela”.

Em Magé e Casimiro de Abreu, faltou vacina para a população que foi aos postos de saúde ontem. Magé esperava receber 40 mil doses em seu primeiro dia de imunização — mas só chegaram 10 mil. Já em Casimiro, onde foram registrados os dois casos de febre amarela, um deles com morte, as vacinas acabaram em diversos postos e a Secretaria de Saúde aguarda reposição pelo governo estadual. A expectativa é que novo estoque chegue até amanhã. Segundo a pasta, foram enviadas 42 mil doses, porém várias pessoas de outros municípios se vacinaram e, por isso, as doses não foram suficientes. Para a nova fase, que começa na quarta-feira, será exigido carteira do SUS e comprovante de residência.

Exames em 5 primatas dão negativo

Novo laudo da Fundação Oswaldo Cruz, divulgado pela Secretaria estadual de Saúde ontem, apontou resultados negativos para febre amarela nos cinco macacos encontrados mortos em diversos pontos da cidade do Rio em outubro do ano passado.

De acordo com a pasta, “não há qualquer evidência da circulação do vírus da febre amarela no município do Rio de Janeiro, onde não há casos de febre amarela confirmados — seja em macacos ou em humanos”.

Na semana passada, a Fiocruz confirmou três mortes de macacos por febre amarela nas cidades de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, e São Sebastião do Alto, na Região Serrana, o que levou o estado a intensificar a vacinação nessas regiões. Atualmente, todos os primatas com suspeita de febre amarela são encaminhados à Fiocruz.

Reportagem de Jonathan Ferreira e da estagiária Alessandra Monnerat

Últimas de Rio De Janeiro