Com recursos de empresas, PM prepara projeto para atuar em ônibus

Operação 'Viagem Segura' tem o objetivo de conter o aumento de assaltos em coletivos

Por O Dia

Rio - Financiado pela iniciativa privada, um projeto piloto para reduzir os assaltos nos ônibus deve começar em dois meses. A negociação entre a Fetranspor (federação das empresas de transporte) e a Polícia Militar está nos ajustes finais. Nos moldes do ‘Segurança Presente’, com uniforme diferenciado, o programa deverá se chamar, em uma segunda etapa, ‘Viagem Segura’.

No ponto na Avenida do Contorno%2C o personal trainer Igor Barta esperava a condução%3A 'Aqui tem muitos assaltos%2C diariamente'Estefan Radovicz / Agência O Dia

A ideia do projeto tinha sido antecipada pelo secretário de Segurança, Roberto Sá, ao DIA, em janeiro. Na primeira fase, a expectativa é de que policiais do Grupamento de Policiamento de Transporte Urbano (Gptou) recebam uma gratificação extra mensal em torno de R$ 1 mil, vale-transporte e refeição.

“Atualmente, um dos grandes desafios do Gptou é o baixo efetivo. Temos somente quatro trios para trabalhar por turno de 12 horas, em toda a Avenida Brasil, Centro e Zona Sul. O ideal seria que 10 equipes dessas trabalhassem no período nesses locais”, afirmou o capitão Hugo Leonardo Paiva, 32 anos, comandante do grupamento há 1 ano.

Uma solução encontrada para reforçar a tropa que tem a responsabilidade de policiar 8.500 ônibus diariamente seria a remuneração de outros agentes para, no horário de folga, trabalharem no grupamento. Na segunda fase, prevista ainda para este ano, a intenção é formar outro grupo de policiais para atuar em ônibus no horário de folga.

Assim como o Segurança Presente, que atua financiado pela Prefeitura e pela Federação de Comércio do Estado do Rio, o novo policiamento seria financiado pelas empresas de ônibus. “Todo o projeto está em fase de análise. Há também uma proposta de gratificação trimestral em reconhecimento ao número de ocorrências dos policiais do Gptou, que, mesmo com toda a dificuldade, é atuante”, disse Paiva.

Baseado na experiência à frente do grupamento, o oficial criou uma curso que tenta replicar nas outras unidades. “O Comando de Policiamento Especial sugeriu aplicar nos outros batalhões técnicas de abordagens em ônibus. Começamos o treino de uma equipe em São Cristóvão. No próximo mês, começa o Curso de Operações e Patrulhamento em Vias Expressas e uma das disciplinas é o policiamento em coletivos”, contou o comandante. Segundo Paiva, o policiamento em ônibus necessita de técnicas específicas. “Na Olimpíada, tivemos um episódio em que um policial não treinado jogou spray de pimenta em passageiros. A conduta do agente virou um inquérito”, explicou.

No local onde houve o cerco ao ônibus assaltado na terça%2C a professora Simone de Oliveira se preocupa em guardar o celular%3A ‘Medo sempre tenho’Estefan Radovicz / Agência O Dia

Em 2016, o roubo a ônibus aumentou em 76,7%. “Ao mesmo tempo que houve o disparo de roubos, também aumentou a produtividade policial”, rebateu Paiva. Segundo o Gptou, no primeiro bimestre foram 23 presos contra sete do mesmo período de 2016; e 2,4 kg de maconha apreendidos contra 140g.

Armas de brinquedo

Paiva aponta a fragilidade nas leis como outra dificuldade no combate aos roubos em coletivos. Segundo o oficial, diariamente armas de brinquedo são apreendidas pelo Gptou, mas o portador do simulacro é solto na delegacia. “No último dia 17, por exemplo, tivemos um caso assim: o suspeito foi abordado dentro do ônibus, tinha passagem pela polícia, e disse que iria praticar roubos com o simulacro. Na delegacia, foi solto. Ou seja, o policial fica mais tempo na delegacia do que o suspeito, que sai antes”, contou.

De acordo com o comandante, quando o suspeito apresenta nota fiscal, o objeto ainda é devolvido ao dono. Neste ano, dois simulacros foram apreendidos com criminosos que foram presos em flagrante. Na terça, Jhon Lenon Barbosa manteve 30 passageiros reféns em um ônibus em Niterói também com arma de plástico, e acabou preso e indiciado por ‘roubo majorado’. Diariamente, o Gptou aborda entre 80 e 100 coletivos.

Policial prende suspeito com simulacro de arma dentro de coletivoDivulgação

Novo assalto a ônibus em Niterói ontem

Dezesseis horas depois de Jhon Lennon Silva Barbosa, de 25 anos, fazer reféns no 409M, na terça, um outro caso em Niterói assustou usuários do transporte. Assim como no episódio anterior, o acusado foi preso em flagrante.

Agentes da 76ª DP (Niterói) capturaram Wagner Nunes, na Rua São João, no Centro do município. Segundo os investigadores, por volta das 0h20, o motorista da Viação Santo Antônio foi até a delegacia informando que o coletivo havia sido roubado e que o criminoso estava pelas redondezas. Em buscas pelo local, o suspeito foi localizado e reconhecido pela vítima.

Em depoimento na delegacia, Wagner confessou e afirmou que praticou o crime para pagar dívidas do filho na boca de fumo. Na terça, uma hora após o assalto ao 409M, outro ônibus foi assaltado no local, mas o bandido conseguiu fugir.

No ponto, receio de mais assaltos

Na Avenida do Contorno, em Niterói, no ponto de ônibus ao lado de onde ocorreu o cerco ao ônibus 409 M em que um assaltante manteve 30 passageiros como reféns na terça-feira, o medo continuava ontem para quem esperava a condução. “Aqui tem muitos assaltos, diariamente. É um muito visado, tem a comunidade Buraco do Boi aqui em frente”, contou o personal trainer Igor Barta, de 29 anos, também usuário da linha 409M. “É um ônibus que todo mundo pega para trabalhar. Ficamos com medo, mas não temos como mudar”, disse.

A professora Lorena Cunha, 28, também afirma que o lugar tem ‘fama’: “Meus alunos sempre contam que levaram a mochila deles no viaduto aqui em frente”. A professora Simone de Oliveira, 38, sempre fica atenta ao celular. “Medo sempre tenho”, disse ela.

Com a estagiária Alessandra Monnerat e colaboração de Guilherme Santos

Últimas de Rio De Janeiro