Polícia procura suspeitos de matar argentino em Minas e Espírito Santo

Matias Carena foi vítima de espancamento durante uma briga na saída de um bar em Ipanema. Neste sábado, um dos suspeitos foi preso

Por O Dia

Rio - A Delegacia de Homicídios (DH) está com equipes em Minas Gerais e Espírito Santo à procura dos foragidos apontados como autores da morte do argentino Matias Carena, de 28 anos. O turista foi vítima de espancamento durante uma briga na saída de um bar em Ipanema, Zona Sul do Rio, na madrugada do último domingo.

Sogra e namorada de suspeito foram à delegacia neste sábadoMaíra Coelho / Agência O Dia

Na madrugada deste sábado, a polícia prendeu Pedro Henrique Marciano, 25 anos, conhecido como PH, após informação passada ao Disque-Denúncia. “Quando Matias está no chão, o PH dá um chute nele. Ele se mostra arrependido e está colaborando. Já pedimos a prisão preventiva dele”, afirmou o delegado Fábio Cardoso, da DH.

PH estava escondido na casa da namorada, na favela da Coréia, em Senador Camará, Zona Oeste do Rio. Ela compareceu à delegacia junto com a mãe, para levar roupas. “Era um rapaz trabalhador, tranquilo”, disse a mãe da sua namorada. Ele trabalhava como promoter e já tinha passagem por tráfico de drogas.

Pedro Henrique Marciano%2C o "PH"%2C estava na comunidade da Coreia%2C na Zona Oeste do RioDivulgação

O músico Toddy Cantuária, autor do soco que nocauteou o argentino, fugiu para a Espanha. Ele está no alerta vermelho da Interpol. Júlio César Oliveira e Thiago de Noros Lessa Filho não teriam saído do país.

Por enquanto, a Justiça decretou a prisão temporária por cinco dias, mas a polícia já solicitou a preventiva. "Pedimos que quem tiver informações entre em contato. Foi através de um Disque-Denúncia que chegamos até o PH. Um deles optou por uma fuga internacional, mas estamos nessa caça na Europa. Onde quer que eles estejam, eles serão presos em breve. Foi um crime bárbaro", disse Cardoso.

O delegado disse que a fuga de Cantuária ocorreu logo após o crime. "Após a briga, ele pega um táxi, deixa um comparsa em Copacabana, depois vai para a Urca, onde estava morando. Pega algumas roupas e, no mesmo táxi vai para o aeroporto do Galeão. De lá, pega um voo para Guarulhos e, por fim, seu último paradeiro é Barcelona, na Espanha", contou Fábio.

Os quatro acusados do crime eram moradores da Zona Sul e atuavam no ramo de turismo e entretenimento. Pelo que foi apurado, o grupo que Matias estava teria discordado do valor da conta no bar e, por isso, começou a ser alvo de implicância dos brasileiros, que culminou em xingamentos e na agressão sofrida por Matias.

Socorrido pelos amigos, ele morreu no Hospital Miguel Couto vítima de traumatismo craniano.

O Ministério Público informou que vai denunciar todos por homicídio duplamente qualificado, já que o motivo foi torpe e sem chance de defesa da vítima.

Últimas de Rio De Janeiro